Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > O uso do cinto de segurança durante a gravidez

O uso do cinto de segurança durante a gravidez

Categoria: Segurança
Comentários: 1
O uso do cinto de segurança durante a gravidez

Gravidez momento sublime na vida da mulher.

A expectativa do sexo, de como será o bebe, se virá com saúde, com quem ele irá se parecer.

Para garantir uma boa gestação, é importante fazer o pré-natal. Com o avanço da medicina exames são capazes de detectar precocemente, possíveis doenças do feto, e ter a possibilidade de cura, já no período gestacional.

A família toda se mobiliza e a mulher se torna o centro das atenções, todos os cuidados são dispensados para que ela se sinta bem.

Na gravidez a mulher deve cuidar do corpo, da alimentação, ir ao dentista, fazer exercícios regularmente, para se manter disposta e levar a gestação da melhor maneira possível.

Mas como fica a mulher grávida ao volante, já que está tendo os devidos cuidados pra que tudo caminhe para uma gravidez tranqüila, ela vai usar o cinto de segurança e apertar o bebe?

Talvez essa seja uma dúvida, dentro tantas outras relacionadas à gravidez que povoa a cabeça da mulher.

Pode-se usar o cinto de segurança durante a gravidez?

A resposta é sim, aliás, deve ser usado, independente se for a condutora ou passageira do veículo. é um cuidado a mais que se tem com o bebe, no caso de algum acidente evita que algo pior aconteça, como o descolamento da placenta, ou até um trauma mais grave da mãe e do feto.

Existem mulheres que usam o cinto de forma incorreta, sentem desconforto e acabam dispensando seu uso, ou por falta de informação acham que o cinto vai apertar o feto, ou trás que simplesmente não usam por falta de hábito ou por esquecimento.

O cinto está projetado para proteger o corpo em caso de acidente, independente se for a condutora ou passageira do veiculo, deve ser usado. O modelo ideal para as grávidas é o cinto de três pontas, mesmo para a população em geral, em caso de colisão ele tem maior condição de proteção dos órgãos vitais no impacto.

Colocar o cinto de modo correto é a chave para se ter maior conforto e segurança. Na grávida a faixa abdominal deve ficar abaixo da barriga, na parte de cima na diagonal por cima dos ombros, ajeite caso sinto que está machucando o pescoço.

Ao usar o cinto estará cuidando de você e principalmente do seu bebê, poderá seguir a gestação tranquilamente, prevenindo-se de riscos maiores.


Sheila Leite

Título: O uso do cinto de segurança durante a gravidez

Autor: Sheila Leite (todos os textos)

Visitas: 0

639 

Imagem por: Lee J Haywood

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    29-05-2014 às 05:13:22

    Tão necessário e importante. A mulher grávida deve utilizá-lo sempre em qualquer momento. Bom lembrar disso!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - O uso do cinto de segurança durante a gravidez

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Imagem por: Lee J Haywood

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios