Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Já há pouca Segurança

Já há pouca Segurança

Categoria: Segurança
Visitas: 4
Comentários: 2
Já há pouca Segurança

A segurança constitui um tema cada vez mais badalado e debatido nos dias que correm. Infelizmente, as notícias vão-nos dando conta de episódios que remetem exactamente para a falta de incolumidade que se experimenta um pouco por todo o lado. Dantes, este era um problema maioritariamente dos grandes centros urbanos. Na actualidade, porém, a violência gratuita, os roubos, a malvadez, os raptos, e tantos outros males de uma sociedade que caminha alegre e pacificamente para a auto-destruição exercem-se de forma aleatória e indiscriminada.

Normalmente, os protagonistas destas acções abomináveis são indivíduos que sentem não ter nada a perder e para quem a vida se reveste de pouco ou nenhum valor. Assim sendo, para muitos deles, matar ou ser morto faz parte do “ofício”. Ainda que aos olhos de uma pessoa dita normal tais atrocidades adquiram uma dimensão monstruosa, vendo pela perspectiva daqueles que cometem estes crimes, se a vida deles não vale coisa nenhuma, o que poderá representar a de outrem? A questão é deveras complexa, e se se fala tanto de ausência de segurança, devia tentar perceber-se, mais do que as visíveis consequências, o que a origina e o que pôr em prática no sentido de colmatar algumas dessas matérias. Sim, porque mesmo nesta “classe”, cuja “profissão” é oposta à dos homens e mulheres fardados que nos habituámos a ver nas entradas e corredores de numerosos espaços, existem criaturas de bem, a quem as circunstâncias da história pessoal empurraram para a marginalidade.

Estes “inseguranças profissionais”, vigilantes de outros objectivos, não são apenas criminosos; têm um nome, um rosto, uma família e podem, em bastantes casos, ser recuperados, desde que alguém tenha coragem suficiente para lhes dar a mão.

Esta mão não precisa de estender a carteira. Basta que segure um coração minimamente sensível e um humanismo que supere o medo. Tratando-se de seres humanos, a característica distintiva, ou seja, a capacidade de amar, aliada a um certo efeito surpresa em termos de reacção, pode operar verdadeiros milagres.

A segurança de pessoas e bens pode levar-se a cabo de variadas maneiras e com recursos diversos, que vão dos alarmes às vedações especiais, à vigilância através câmaras de filmar e mesmo à contratação dos chamados capangas, que alguns apelidam de “gorilas” e outros, mais sofisticadamente, de bodyguards. Pena que ainda não se tenham lembrado de inventar um “homeguard”, só para aumentar a segurança quando o corpinho está refastelado no sofá ou na cama a realizar “meditação profunda” durante umas boas oito horas…

Maria Bijóias

Título: Já há pouca Segurança

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

604 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    28-05-2014 às 18:22:45

    Realmente, nestes últimos dias não há mais segurança para nada. Por isso, que viver com o pouco é o bastante, uma vida simples é a melhor coisa que podemos desfrutar nesta vida tão passageira.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãomario

    24-03-2011 às 11:40:45

    fixe

    ¬ Responder

Comentários - Já há pouca Segurança

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como Solicitar O Seguro Desemprego - Passo A Passo!

Ler próximo texto...

Tema: Utilidades Domésticas
Como Solicitar O Seguro Desemprego - Passo A Passo!\"Rua
O seguro desemprego é instituído pela Lei Nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990 e que tem por finalidade prover a assistência financeira temporária ao trabalhador desempregado sem justa causa. Foi sancionado pelo presidente da República do Brasil e também é regido pela Consolidação das Leis Trabalhistas – CLT.

Este benefício é concedido a todo e qualquer trabalhador que foi dispensado apenas em regime de sem justa causa ou quando houver acordo judicial e o juiz autorizar o pagamento devido ao ex-trabalhador da empresa.

Sua duração é de 3(três) a 5(meses) de forma contínua e dependerá do tempo em que ficou empregado. O valor mensal é calculado conforme o que o trabalhador ganhava durante o período em que estava empregado.

Essa assistência financeira e temporária tem algumas regras, por isso, é muito importante conhecê-la antes mesmo de solicitá-la nos órgãos responsáveis.

Para ter direito ao benefício:


- Precisa ter a carteira devidamente assinada da empresa;
- Ter trabalhado durante 6 meses na empresa (no mínimo);
- Não ter recebido esse benefício no período de 16(dezesseis) meses ininterruptos;
- Ter sido dispensado sem justa causa.

Quem tem direito ao benefício:


- Os trabalhadores demitidos sem justa causa;
- O pescador artesanal; e
- O empregado doméstico, desde que o empregador esteja recolhendo o Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS).

Como solicitar – Passo a passo:


1) Dirija-se à qualquer Caixa Econômica Federal ou ao M.T.E (Ministério do Trabalho e Emprego) da sua cidade munidos dos seguintes documentos:
- Rescisão contratual, carteira de trabalho devidamente dado baixa com a data de saída e assinada e carimbada pela empresa, as duas vias do seguro desemprego preenchido e fornecido pela empresa, cartão do PIS/PASEP ou o cartão cidadão, extrato do recebimento do pagamento do FGTS, comprovante de residência e os últimos 3 (três) contra-cheques;
2) Entregue todos esses documentos ao atendente. Eles vão fornecer o protocolo de entrada do seguro desemprego, vão lhe dizer quantas parcelas você tem direito e a data que você receberá a primeira (30 dias).

Bem, apenas isso e agora é só esperar para o recebimento do pagamento das parcelas. Para consultar, acesse este link: http://granulito.mte.gov.br/sdweb/consulta.jsf
Digite com seu número de PIS/PASEP e logo abaixo com o código no visor e clique em consultar. Vai abrir outra tela com as informações das parcelas.

Pesquisar mais textos:

Briana Alves

Título:Como Solicitar O Seguro Desemprego - Passo A Passo!

Autor:Briana Alves(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios