Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > TV HIFI > A modernização da câmara de filmar

A modernização da câmara de filmar

Categoria: TV HIFI
Visitas: 2
Comentários: 1
A modernização da câmara de filmar

A câmara de filmar é um dispositivo para a aquisição electrónica de imagens que, tendo começado nos estúdios de televisão, disseminou-se depois a todo o público e permitiu a qualquer um de nós sermos pequenos realizadores.

As câmaras podem ser usadas de dois modos: o live e o de gravação.

O modo live permite-nos observar a imagem em tempo real, enquanto que, com o modo de gravação, as imagens são gravadas e arquivadas para serem vistas posteriormente.

No início, as câmaras de filmar tinham as bobines de filme incorporadas, passando depois a ter um receptáculo específico para as cassetes.

No entanto, estes métodos tornavam as câmaras demasiado grandes e pouco portáteis, além de serem também bastante mais caras.

Hoje, com o avanço da tecnologia dirigida ao público familiar e com a democratização deste instrumento, já é possível adquirir uma câmara de filmar digital que cabe na palma da mão.

As câmaras têm agora memória incorporada, que pode ser extensível com o uso de cartões de memória, o que permite uma maior mobilidade e portabilidade.

É também com estes acessórios e com a ajuda de programas informáticos de edição vídeo que, no conforto do lar, podemos dar largas à nossa imaginação.

Com a democratização desta tecnologia, é também possível adquirir este instrumento por um preço bastante baixo.


Rua Direita

Título: A modernização da câmara de filmar

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 2

662 

Imagem por: Diego Cupolo

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    04-06-2014 às 07:37:42

    Há câmeras muito boas graças a essa modernização. Com imagens excelentes, bem nítidas, com recursos úteis e funcionais.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - A modernização da câmara de filmar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: Diego Cupolo

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios