Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Motas > Motas de velocidade

Motas de velocidade

Categoria: Motas

Quando se fala de velocidade normalmente pensamos em motos. De entre as várias categorias salientemos aquelas que se destacam pelas motorizações mais elevadas.

As motos desportivas possuem design futurista e mecânica de excelente desempenho. Os motores possuem normalmente mais de 600 cm³ de cilindrada, o que permite maior aceleração, casos em que algumas atingem velocidades superiores aos 310 km/h reais. Em geral, possuem discos de travão duplos, quadros fabricados em materiais leves, design aerodinâmico, posição de pilotagem baixa, e carenagens para reduzir a resistência ao ar. Possuem pneus largos para aumentar a área de contacto com a pista tanto em rectas como em curvas. Geralmente possuem amortecedor de direcção com o objectivo de evitar o chamado shimmy, que em muitos casos pode provocar a queda do piloto. O shimmy é um movimento muito rápido, virando de um lado para o outro, sem controlo, normalmente causado pelos desníveis no asfalto. No painel, ou em linguagem mais coloquial, nos manómetros, o que se destaca é o conta rotações, que, como o nome indica, mede o número de rotações por minuto. Este, geralmente fica numa posição de destaque e de fácil visualização. Actualmente os velocímetros são digitais, bem como os indicadores do nível do óleo, de combustível, etc.

O recorde de velocidade pertence à Suzuki GSXR Hayabusa, tendo havido um acordo entre as marcas para limitar electronicamente todas as motos desportivas nos 300 km/h.

A relação peso/potência já ultrapassou a barreira de 1:1, ou seja, cada cavalo de potência empurra um peso inferior a 1kg. O piloto na sua posição de pilotagem fica praticamente deitado sobre o depósito, com o tronco inclinado para a frente e os pés para trás. Estas motos, pelas suas características desportivas, não são muito confortáveis para conduzir em estradas urbanas. Os locais mais aconselhados são como é óbvio as pistas de velocidade, os chamados autódromos, ou as auto-estradas.

Duas das mais conhecidas provas do circuito desportivo são o MotoGP e as Superbikes.

O MotoGP ou Moto Grand Prix é a prova máxima do Grande Prémio de Motociclismo. O campeonato ainda é constituído pelas categorias de 125 cm³ e 250 cm³ de cilindrada. Foi criada esta categoria em 2002 para substituir a categoria de 500 cm³. Desde então as motos são equipadas com motores a 4 tempos e limitados à cilindrada de 990 cm³. Em 2007 foram novamente limitadas aos 800 cm³.

A Superbike é um tipo de moto modificada. Existem campeonatos nesta categoria em muitos países. Os campeonatos mais atractivos são realizados nos E.U.A., no Japão, na Austrália, Reino Unido e Canadá. Estes campeonatos nacionais e mundiais realizam-se desde 1988 sempre com uma crescente e nova adesão de adeptos.

Para os amantes da condução urbana existe no mercado a scooter que é uma moto que permite uma condução eficaz para as necessidades do trânsito na cidade. A maioria das scooters possui 50 cm³ de motorização e são equipadas com motores a 2 tempos, mas não é por isso que se ficam atrás na velocidade frenética da cidade.


Rua Direita

Título: Motas de velocidade

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Comentários - Motas de velocidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios