Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Seguros > Seguros de risco profissional

Seguros de risco profissional

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Seguros
Visitas: 2
Comentários: 1
Seguros de risco profissional

Certo é que muitas vezes nos queixamos das companhias de seguros. Sentimo-nos lesados, perdidos e injustiçados. A realidade é que quando contratamos um seguro através de uma companhia, temos a obrigação e o dever de o fazer num agente oficial e antes de assinar, ler tudo o que está inserido no formulário ou contrato (incluindo as letras pequeninas) e pedir esclarecimentos sobre todas as dúvidas. Por muito absurdas que possam parecer, todas as nossas dúvidas devem ser colocadas e esclarecidas. Só assim o negócio terá uma concretização segura e satisfação para ambas as partes.

Existem seguros de todas as coisas, e não só as casas e os carros que podem ser protegidos. Recheio de casas, estragos e danos que as criancinhas possam fazer também podem estar assegurados, tal como o cão, o papagaio ou o gato.

Na imensa variedade de seguros que as companhias têm para oferecer, um dos mais requisitados é o de risco profissional. Os seguros de risco profissional ou acidentes de trabalho, dirigem-se a empresas e empresários. Além de ser um seguro obrigatório, convenhamos que é dos que vale mesmo a pena subscrever.

Os seguros de risco profissional ou de acidentes de trabalho podem abranger uma quantidade de coisas, mas existem coisas básicas e obrigatórias. O percurso que faz de casa para o trabalho e vice-versa está incluído neste seguro. Se por exemplo cair dentro do escritório onde trabalha, o seguro também cobre os custos médicos e o tempo de baixa de forma obrigatória. Naturalmente se o seu trabalho for sentado na secretária e se o acidente for ao mudar uma lâmpada, o seguro poderá contestar.

Para quem conduz um carro todo o dia por motivos profissionais, o seguro do automóvel poderá não bastar. Assim, ao obrigatório seguro de trabalho, poderá incluir um seguro específico para a sua profissão.

Se é empregada de limpeza liberal, então já sabe que não será a sua patroa a tratar de subscrever um seguro. Terá de o contratar e pedir um seguro em concreto. Limpeza de vidros (e a queda dos mesmos), o risco de quedas, visto ser um trabalho muito ativo, e que a proteja de possíveis alergias a detergentes são apenas algumas ideias.

Construção civil, seguranças e outras profissões onde os riscos são alargados, são um pouco mais caros, mas segurar sempre valeu a pena.

Sabemos que os seguros custam a pagar, pois não se tratando de um objeto palpável mas sim de um serviço que não é utilizado todos os dias, temos a sensação de que é caro. No entanto, se precisar dele, acredite que vai louvar tê-lo feito.



Carla Horta

Título: Seguros de risco profissional

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 2

793 

Imagem por: Gravestone

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    29-05-2014 às 17:11:14

    O seguro de risco profissional tornou-se muito importante nestes últimos dias. Os acidentes de trabalho tem acontecido de forma rotineira e isso garante maior preservação da vida.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Seguros de risco profissional

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cuidado com as curvas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Motas
Cuidado com as curvas\"Rua
Quando se fala em motas, delineia-se na nossa mente a figura de um indivíduo, “maluquinho” por estes veículos de duas rodas, vestido com colete preto de couro e envergando umas possantes botas da mesma cor, e, quiçá, umas caveiras ou outros distintivos aqui ou ali, nele ou na moto. Normalmente, os motociclistas, motoqueiros ou motards, como são conhecidos, regem-se por um espírito muito próprio, que ninguém sabe definir muito bem, mas que, sem dúvida, engloba a sensação de liberdade e, por vezes, umas bebedeiras a valer numa qualquer concentração de motas. A parte boa é que, não acontecendo nada de pernicioso à mota e ao seu condutor quando se desafia a sorte desta maneira, uma vez despojado das roupas e acessórios motards, colocando o fato e a gravata, este volta a ser uma pessoa “normal”, imbuído de sentido de responsabilidade e bom senso. Estas características, tão úteis no trabalho e em sociedade, são, amiúde, esquecidas quando se está ao “volante” de uma moto. Cede-se, frequentemente, à tentação de andar muito depressa, de ultrapassar em terceira fila, de passar à frente nas portagens, de desrespeitar o próximo perpetrando atrocidades inacreditáveis e fazendo tudo o que dá na veneta, com a segurança de se estar protegido pelo anonimato do capacete e da pouca ou nenhuma visibilidade da matrícula.

Por outro lado, também existe aquilo a que se chama de solidariedade motard, que apela aos mais puros sentimentos de entreajuda em caso de queda ou outra situação de aflição. Claro que, em determinadas circunstâncias, mais valia que estivessem quietos, em vez de retirar apressadamente o capacete a um colega estendido no chão (é a última coisa a fazer), e noutras ainda bem que se tem assistência em viagem, porque, dada a falta de visão periférica dos companheiros de estrada, bem se podia”esticar o pernil” que não apareceria vivalma para dar uma ajuda.

Definições e conceitos à parte, o motociclismo constitui uma paixão fervorosa de um grande números de indivíduos, com um incremento significativo do género feminino. Faz-se uso da mota por razões não profissionais, por diversão, por se ser praticante desta modalidade, para locomoção, ou, simplesmente, porque se gosta de motos. Seja qual for a razão, os agradecimentos têm de ser dados a Gottlieb Daimler (1834-1890), que inventou o primeiro protótipo. E, já agora, não custa render gratidão também a John Boyd Dunlop, veterinário escocês, que concebeu uma espécie de roda, que corresponde ao nascimento do pneu. Pode, portanto, afirmar-se com toda a legitimidade que um veterinário deu à luz um pneu…!

Pesquisar mais textos:

Maria Bijóias

Título:Cuidado com as curvas

Autor:Maria Bijóias(todos os textos)

Imagem por: Gravestone

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • letícia Cristina Calixto de Souza 20-06-2013 às 17:19:32

    eu achei muito interessante esse texto por que ele me ajudou a fazer um trabalho escolar mas eu quero falar para a autora desse texto que ela está de parabéns e que esse texto possa incentivar cada pessoa que ler ele então meus parabéns

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios