Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Paredes Vazias, Ordem Perdida!

Paredes Vazias, Ordem Perdida!

Categoria: Música
Comentários: 2
Paredes Vazias, Ordem Perdida!

Empty Walls, música de Serj Tankian, possui uma mensagem ideológica bem forte. Apesar de retratar a realidade americana, com seu vício militar de enviar soldados para países estrangeiros (que muitas vezes retornam em caixões para suas famílias), podemos paralelizar o conceito do vídeo/letra com a realidade brasileira.

Soldados podem ser nossos policiais, que ganham uma quantia irrisória pelo risco que correm apenas pelo fato de carregarem o título de homens da lei. Muitos morrem pela farda e seus entes choram suas perdas. E ambas as crianças crescem com os fantasmas da violência. Lá atentados. Aqui uma mistura de guerra civil (facções disputando poder) com o Estado medindo forças com os foras da lei. Por vezes, vemos que os bandidos possuem armamentos dignos de guerra.

Este vídeo em especial, nos deixa um pensamento bem profundo: que mundo queremos que nossos filhos, netos, sobrinhos e afins cresçam? Não dá para admitir que é normal e aceitável.

Selvageria nunca pode ser vista como sinônimo de normalidade.
A violência corrói os valores que os pais tentam passar para seus filhos. Esses ensinam que é errado matar e roubar e o governo, a autoridade, matando e roubando. Lá, invadindo o território alheio para usurpar o petróleo. Aqui, governantes enfiam descaradamente nossos impostos em malas e cuecas. A cúpula de segurança manda subir os morros sem uma operação bem amarrada, o que quase sempre resulta em uma bala perdida acertando um inocente.

Como música também é bom de se escutar. Fica a dica!Serj Tankian é um compositor e cantor de muita inteligência e engajado em questões políticas e ambientais. Os seus ancestrais armenos e o genocídio sofrido por eles pode justificar um pouco de todo esse sentimento de "dever em lutar pela justiça".
Também vocalista da banda System of a Down, mais conhecida por SOAD pelos fãs ou simplesmente: system. Foi responsável pela composição de grandes sucessos da banda como Toxicity e Chop Suey, na parceria com Daron Malakian (vocais e guitarra), Shavo Odadjian (baixo) e John Dolmayan (bateria).

Deixo o link do vídeo para exemplificar o que eu estou falando. As vestimentas também são bem interessantes para quem se interessa por moda!


Amanda Maldonado

Título: Paredes Vazias, Ordem Perdida!

Autor: Amanda Maldonado (todos os textos)

Visitas: 0

537 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFernando

    13-07-2014 às 01:09:11

    Interessante música....diferente do meu gosto...valeu

    ¬ Responder
  • Amanda MaldonadoAmanda Maldonado

    13-07-2014 às 17:44:50

    Obrigada, o intuito maior era de provocar reflexão Como foi a música que me trouxe reflexão, resolvi inseri-la.

    ¬ Responder

Comentários - Paredes Vazias, Ordem Perdida!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios