Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Animais Estimação > Se os queremos como amigos… temos que ser os primeiros.

Se os queremos como amigos… temos que ser os primeiros.

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Animais Estimação
Comentários: 2
Se os queremos como amigos… temos que ser os primeiros.

Os cães lançam sobre nós uma espécie de feitiço que nos une para sempre, principalmente quando os adquirimos enquanto são cachorrinhos.

O meu cão é como todos os outros cães: tem quatro patas e uma cauda que abana (dizem os peritos no assunto que o cão abana a cauda quando está indeciso), mas por alguma razão que não consigo explicar, o meu cão é especial. É um rafeiro, um hibrido que foi adquirido na Feira da Ladra, em Lisboa, pela modica quantia de 500$00. Isto, é claro, há onze anos atrás.

Foi subitamente liberto de um destino indigno para qualquer animal e por essa razão dei-lhe de imediato o nome de Lucky. Talvez pouco original, vulgar até, mas neste caso específico fez todo o sentido para mim e para ele. É claro que depois, durante o seu crescimento que durou uns eternos nove meses, devastou tudo á sua volta transformando a minha vida anteriormente calma e arrumada num imenso pesadelo com pelos, lágrimas e irritações.

O cão tinha sempre aquela eterna desculpa da mudança dos dentes e do pelo enquanto isso fiquei sem o bilhete de identidade, inocentemente roído até á fotografia, os meus óculos desapareceram do mapa, encontrados mais tarde, em pedaços, debaixo do móvel da televisão, os meus sofás, tanto o primeiro como o segundo, foram alegremente esventrados até as molas ficarem à vista graças á curiosidade do canídeo. Até a desgraçada da máquina de lavar roupa ficou sem a borracha interior da porta. Algumas das esquinas da parede de minha casa não tiveram melhor sorte já que foram literalmente devoradas e digeridas pelo novo membro da família. Mas a jovialidade com que fazia tudo isso e o arrependimento mostrado logo de seguida, era o bastante para que toda a minha frustração se desvanecesse num ápice. Com o tempo, foi aprendendo na base do elogio e da repreensão, mantendo sempre a sua alegria inata. E eu aprendi com ele que as hierarquias severas são absolutamente desnecessárias.

Talvez por o meu cão ser um animal de matilha atribuiu-me um lugar de destaque e a sua fidelidade, lealdade e companhia são uma constante no meu dia a dia, tornando-o mais completo e distinto. Sinto que sou importante e que a minha responsabilidade é muito maior do que imaginava, sou um líder da matilha. Mas na realidade é o meu cão que deixa que assim seja.


Eugénia Costa

Título: Se os queremos como amigos… temos que ser os primeiros.

Autor: Eugénia Costa (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    16-06-2014 às 15:35:21

    Também concordo que temos que ser os seus primeiros amigos. Uma forma de sermos é cuidando mais, alimentando, dando atenção e carinho, passeando. Muitas vezes, a pessoa adquire um cão e só dá a comida, até parece que só isso basta. Não, tem que passear, dar banho, dar carinho, e isso faz eles amarem!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • André BelacorçaAndré Belacorça

    17-09-2012 às 19:22:52

    gostei :)

    ¬ Responder

Comentários - Se os queremos como amigos… temos que ser os primeiros.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Superstições Náuticas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Barcos
Superstições Náuticas\"Rua
Todos temos as nossas manias e superstições. Não que se trate de comportamentos compulsivos, mas a realidade é que mesmo para quem diz que não liga nenhuma a estas coisas, as superstições acompanham-nos.

Passar por baixo de uma escada, deixar a tesoura, uma porta de um armário ou uma gaveta aberta ou até deixar os sapatos em posição oposta ao correcto, são das superstições mais comuns. As Sextas-feiras 13 também criam alguma confusão a muita gente, mas muitos são os que já festejam e brincam com a data.

Somos assim mesmo, supersticiosos, uns mais do que outros, mas é uma essência que carregamos, mesmo que de forma inconsciente.

Existem no entanto profissões que carregam mitos mais assustadores do que outros, e por exemplos muitos actores não entram em palco sem mandar um “miminho” uns aos outros.

Caso de superstição de marinheiro é dos mais sérios e se julga que se trata só de casos vistos em filmes de piratas, desengane-se. Os marinheiros dos dias de hoje carregam superstições tão carregadas de emoção quanto os de outros tempos.

Umas mais caricatas do que outras, as superstições contam histórias e truques. Por exemplo, contra tempestades, muitos marinheiros colam uma moeda no mastro dos navios.

Tal como fazem os actores, desejar boa sorte a um marinheiro antes de embarcar, também não é boa ideia. Os miminhos dados antes de entrar em palco também servem para o efeito.

Dar um novo nome a um barco é uma péssima ideia para um marinheiro. Dizem que muitos há que não navegam em barcos rebaptizados.

Lembra-se que os piratas de outros tempos utilizavam brincos? Pois isto faz parte de uma superstição. Dizem que os brincos evitam que se afoguem.

Entrar com um pé direito na embarcação é sinal de bons ventos. Tal como acontece com muitos de nós, os marinheiros também não gostam de entrar de pé esquerdo.

Já desde remotos tempos se dia que assobiar traz tempestades. Ora aqui está um mote dos marinheiros, pelo que se assobiar numa embarcação, arrisca-se a ter chatices com o marinheiro.

Verdades ou mentiras, as superstições existem e se manter os seus próprios mitos acalma um marinheiro, então que assim seja. Venham as superstições náuticas que cá estamos para as ouvir.

Já agora uma curiosidade ainda maior. Dizem que se tocar a gola de um marinheiro passará a ter sorte. Será verdade ou foi um marinheiro que inventou?

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Superstições Náuticas

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 06:39:27

    Não acredito em superstições de forma alguma.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios