Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Como ser madrastas dos dias de hoje

Como ser madrastas dos dias de hoje

Categoria: Outros
Comentários: 8
Como ser madrastas dos dias de hoje

O nome madrasta é algo com uma carga emocional muito grande. A carga é de tal forma, que nas gerações mais antigas, muitas eram as madrastas que queriam ser tratadas por tias, para que o cariz fosse atenuado.

A nossa educação, toda ela tão influenciada nos desenhos animados da Walt Disney, ensinou-nos que as madrastas eram más, traidoras, insuportáveis e até assassinas. Lembremo-nos então. A Cinderela foi feita sopeira e criada pela madrasta, a Branca de Neve foi mandada matar, também pela madrasta e até a Gata Borralheira não escapou. Habituámo-nos a catalogar este “familiar” que em qualquer altura pode fazer parte da nossa vida.

Mas afinal como é ser madrasta nos dias de hoje? Se está prestes a ser uma delas, saiba o que deve fazer para ter uma excelente relação com o seu enteado e principalmente, o que nunca, de forma alguma deve fazer.

Antes de mais deve pensar como uma criança. Imagine-se quando era criança e coloque-se numa situação como a que o filho da sua cara-metade vai estar quando a conhecer. A criança poderá sentir-se confusa e vai com toda a certeza ter os mesmos receios que você terá.

Em segundo lugar, pense no que as crianças têm para oferecer aos adultos. Eles têm muito para nos ensinar, pelo que o primeiro conselho que se pode dar numa destas situações é: Aproveite. As crianças ensinam-nos muito mais do que nós a elas.

Faça perguntas e interesse-se pelo que ele faz. Ele sentirá que você tem interesse e que quer fazer amizade com ele. Como já sabe informações sobre ele, meta conversa. Vai ver que vai acontecer o mesmo com a outra parte.

Vão passear os três e faça-se sempre acompanhar pela sua cara-metade. Será um apoio para os dois e um excelente elo de ligação.

Com o passar do tempo, vai ver que conseguem fazer amizade. Poderão tornar-se numa família saudável e isso é o mais equilibrado.

Nunca em caso algum deverá ser a mãe da criança. Você é a namorada do pai, não é a progenitora. Ninguém diz que uma chamada de atenção não deva ser feita se o seu bom senso assim o achar, mas quem educa são os pais. A sua posição é apoiar os pais.

A figura de madrasta já não é o que era. Com a constituição da segunda família, as crianças vêm-se a braços com muitas coisas que causam uma certa confusão, pelo que enquanto adulto, a sua função é facilitar a harmonia e nunca causar mais confusão.

Duas casas para uma criança pode não significar dois mundos. Deve acima de tudo ser um mundo unido e harmonioso. Adopte uma postura amiga e conquiste o pequeno ser mais importante da sua cara-metade. Afinal, ele é só uma criança.


Carla Horta

Título: Como ser madrastas dos dias de hoje

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

776 

Imagem por: Bashed

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 8 )    recentes

  • SophiaSophia

    26-05-2014 às 05:26:05

    É um grande desafio, mas o amor supera todas as coisas!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDinda

    29-01-2013 às 20:47:56

    como fazer para aceitar tal situação?

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    16-09-2012 às 19:04:55

    Miriam, a ideia de se ser madrasta é essa mesmo. O nome carrega uma carga emocional muito negra, mas a realidade é que nos dias que correm e com crinças que têm mais do que uma família, nada como manter a sensatez e criar um bom ambiente entre todos. O que mais interessa é cada um saber o seu lugar e dar equilíbrio emocional ás crianças.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoclara

    11-09-2012 às 14:16:35

    tenho uma filha de 4 anos e uma enteada de 9 anos, as duas brigam muito por ciumes uma da outra e acaba eu e ele brigando um dando razão a sua cria, é claro

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMiriam

    24-07-2012 às 10:18:16

    Sou madrasta e acho que o nome não me causa qualquer incomodo. A Mariana tem 13 anos e somos muito amigas, por vezes até confidentes. Os pais dela sempre a souberam educar bem e nunca precisei de impor a minha presença nem ela a dela. Sabemos exatamente qual é o lugar de cada uma de nós.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoNeuza

    24-07-2012 às 10:17:58

    Tenho um filho com 8 anos fruto de um casamento que terminou à 5. Durante o tempo em que estive divorciada, o meu ex-marido não ligava nenhuma ao filho. Raramente aparecia e a pensão de alimentos era para esquecer.
    Quando conheci o Rogério, e começamos a sair, aquilo que mais me fascinou foi a forma como trata o meu filho. Ele é um pai de verdade, faltando-lhe somente a parte biológica. Eu não ganhei um companheiro para a vida, eu e o meu filhote, ganhámos um elemento importante e fundamental para o nosso dia-a-dia.
    Apesar de tudo o que eu e o meu filhote passámos, valeu a pena a espera…

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCatarina

    23-07-2012 às 12:23:40

    Com a minha enteada foi muito complicado. Eu até tinha uma boa relação com ela, mas a mãe sempre foi uma pessoa intragável. Cheguei ao ponto de ser insultada pela ex-mulher do meu companheiro por ter dado banho à menina depois da praia. Ela era completamente louca. Cheguei ao ponto de cada vez que era o fim de semana de ele estar com a menina eu puro e simplesmente não aparecia para não causar problemas. A menina é um doce e muitas vezes pergunta por mim, mas eu não quero que ela acabe por sofrer os desaforos da mãe por causa da minha presença.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMargarida

    23-07-2012 às 12:23:20

    Tenho uma filha do primeiro casamento e o meu companheiro tem também uma menina. Têm as 2 a mesma idade o que de certa forma veio atenuar qualquer complicação que pudesse haver. Antes de qualquer coisa coloquei-me no papel de filha e depois no papel de mãe. Como é que eu acharia correto que a nova mulher do meu ex-marido tratasse a minha filha? Foi a forma mais fácil de encontrar um equilíbrio e harmonia em todas as coisas. No final de tudo isto, a família estendeu-se de forma abismal, pois passaram a fazer parte da minha vida o novo casamento do meu ex-marido (e a sua nova família) e a antiga família do meu companheiro (a mãe do meu enteado). Todos nós com crianças de anteriores casamentos e pessoas com sensatez acima de qualquer outro sentimento. Pode parecer confuso, mas se todas as coisas forem tratadas com respeito são as crianças quem ficam a ganhar.

    ¬ Responder

Comentários - Como ser madrastas dos dias de hoje

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Imagem por: Bashed

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios