Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Tempo e Eu

O Tempo e Eu

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Comentários: 2
O Tempo e Eu

Eu estava ali sentado numa cadeira velha no terraço daquele prédio, era aonde eu sempre ia depois de almoçar.

Era proibido subir naquela parte, mas eu fazia meus malabarismos e sempre chegava lá sem ser visto. Era uma hora e meia de almoço, eu gastava não mais que vinte minutos para engolir a comida. Tudo para sobrar mais tempo pra ficar ali, sem fazer nada, apenas olhando de cima a vida naquela imensa cidade passar. A sensação era que eu estivesse imune ao tempo, enquanto assistia tudo ser devorado por ele. E como passava rápido, quase tão rápido quanto meu horário de almoço.

Terminada a melhor hora do meu dia, eu descia para novamente cumprir minha obrigação de funcionário de um escritório de contabilidade no quinto andar. Um trabalho aparentemente bom para todos os funcionários de lá, pelo menos é o que eles demonstravam, só não era bom pra mim, que me conformava, porque aquilo era apenas mais um item na extensa lista de coisas que eu tinha que fazer por obrigação naquela minha desbotada vida.

Você deve estar se perguntando: O que um jovem de trinta e cinco anos está fazendo num emprego tão infeliz?

Como? Você não sabia que eu tinha trinta e cinco anos? Hein? Não foi você que perguntou?

Ah, deve ter sido meu inconsciente. É que estou tão acostumado a ser questionado sobre aquilo que não quero dividir com ninguém, que já fico na defensiva. Mas vou te situar melhor na minha realidade.

Meu nome é Louco, na verdade é meu apelido. Lou de Louis e Co de Conan. Louis Conan, daí Louco, o resto é coincidência.

Desde pequeno sempre fui diferente, tinha dificuldades nas coisas que todos tiravam de letra, inclusive viver socialmente. O meu time (tempo) era outro, gostava das pessoas, de fazer o que elas faziam, de me relacionar... Mas no meu tempo, não no tempo natural dos encontros e das relações. O que eu gostava a qualquer tempo era de ficar só. Isso sim, qualquer hora era hora.

Mas eu tinha uma vida social, era obrigado a ter, pela sociedade, pela família... E as pessoas acabavam nem percebendo que eu não estava inteiro ali, compravam facilmente a imagem que eu passava.

Na época de ir para a faculdade foi talvez o momento mais difícil. A ideia de escolher uma profissão pro resto da vida, me deixava desesperado, pra ser sincero tudo que deve ser pra sempre me causa desconforto. Não que as coisas não devam ser pra sempre, se for tudo bem, mas minhas decisões focam o agora. Eu não fazia ideia do que fazer nem pro agora nem pro futuro. Olhava de cima a baixo a lista dos cursos disponíveis, e nada me interessava.

Minha mãe e meu pai não entendiam que não era porque eu não queria, eles achavam que era birra, desobediência, preguiça, talvez até por comodidade eles pensassem assim, porque é certo que: É melhor ter um filho desobediente ou preguiçoso, que doente mental ou comportamental ou simplesmente estranho.

E vamos combinar que esta coisa de doença mental, quando leve, possível de vivencia em comunidade, é muito relativa. E cada um vê como lhe convém, num rico é uma personalidade exótica, num pobre é doidera, para os pais é desobediência, pros amigos jeito diferente de ser, pros inimigos, chatice... E assim por diante. Nem os próprios médicos falam a mesma língua, e como diz o ditado “de louco todo mundo tem um pouco”.

O fato é que eu me sentia desamparado, sozinho, sem rumo, e isto me fazia distanciar cada vez mais das pessoas. Mas a idade estava chegando tinha que dá um rumo na vida. E com algumas indicações consegui este trabalho, onde estou até hoje.

Hoje eu divido minha vida entre ele e a pintura, ah sim me esqueci de dizer, a única coisa que posso falar que sonho em trabalhar é pintando.

Descobri este talento ainda na infância, mas nunca passou pela minha cabeça que esta poderia ser minha profissão. Poucas pessoas sabiam deste meu talento e pra ser sincero nem eu sabia, gostava de pintar e pronto.

Só agora, aos 35 anos, sem uma faculdade, sem casa própria, sem um monte de coisa que torna um homem dono do próprio nariz me atentei para isto. E tenho medo de arriscar, apesar de meu trabalho não ser o do sonho, mas é ele que me possibilita a pagar as contas.
Até acho que tenho talento, mas talentos precisam ser trabalhados, desenvolvidos, apurados e até mesmo testados e isto seria facilmente feito aos dezesseis anos, mas agora preciso trabalhar e pintar nas horinhas vagas.

Daqui olhando os detalhes da vida, lá em baixo vejo tudo passando rápido, e não consigo identificar nada, é mais ou menos como na minha vida, ontem eu era adolescente, hoje sou um homem já adulto, mas tudo passou tão rápido que parece que não deu tempo de efetivar esta maturação.

Aqui do meu lado tem um jardim, umas plantinhas em vasos, que tira um pouco a aridez deste lugar, deixando-o mais gracioso. Assim é a pintura na minha vida, traz algum colorido para esta minha infértil vida. Por isto eu desejo tanto este momento todos os dias. Aqui não só olho o tempo passar, mas me inspiro e me fortaleço. É o meu momento comigo mesmo.

Não posso me culpar completamente por não ter uma vida da forma que desejo, pintei com as ferramentas que me deram, e vamos combinar que esta historia de que nossa vida é uma tela em branco, para construirmos o que quisermos é a maior bobagem que já ouvi. Nossa vida é uma tela predefinida cheia de marcas, já com cores, às vezes até deformada e mais não temos base corretiva para uniformizá-la. Na verdade temos que criar em cima de um desenho já começado, e sem material suficiente. Então criatividade é a palavra e aceitação também, porque nem tudo depende do autor.

Assim eu levo a minha vidinha, talvez o colorido, a vibração, a plenitude esteja apenas em meus sonhos, e esta é a forma que encontrei de me manter vivo e em pé. A cada dia esta tela fica mais marcada e usada e consequentemente mais difícil de construir um desenho como nos meus sonhos. Mas como meus sonhos fazem parte da minha vida, meu desenho até que terá bastante vida e bastante cor. Porque sonhar é o que sei fazer de melhor.


Meirilene Reis

Título: O Tempo e Eu

Autor: Meirilene Reis (todos os textos)

Visitas: 2

2 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Adriana SantosAdriana Santos

    22-01-2016 às 11:30:08

    Adorei!

    ¬ Responder
  • Meirilene ReisMeirilene Reis

    25-01-2016 às 10:19:55

    Obrigada. Que bom que gostou.

    ¬ Responder

Comentários - O Tempo e Eu

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Ler próximo texto...

Tema: Viagens
Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco\"Rua
Não é novidade para ninguém que o Brasil está passando por uma séria crise econômica e política. Atrelado a isso, a elevação do dólar nos últimos meses tem contribuído para a queda considerável no número de viagens internacionais. Para os amantes de viagens, também chamados travelholics, a crise não é um motivo para adiar aquela viagem tão esperada.
Nesse post você terá dicas de como superar esse momento e realizar seu sonho de uma forma mais econômica, sem precisar de guias turísticos, que encarecem ainda mais a viagem.

Dica 1) Planeje sua viagem com antecedência.
Provavelmente a maioria já ouviu falar disso, mas é a pura verdade. Programar a viagem é o primeiro passo para uma estadia tranquila e bem mais barata. Escolher o destino, a época do ano e com quem ir é o começo de tudo. As passagens aéreas costumam ter preços promocionais quando comprada com antecedência e você poderá escolher melhor onde passará as noites.

Dica 2) Pesquise os preços das passagens diariamente.
Se o destino já está definido, comece a buscar as passagens já. Os preços costumam variar diariamente, e sim, podem cair ou subir absurdamente de um dia para o outro. Eu super indico o Google Voos como busca de passagem. Ele apresenta os valores e os horários das mais variadas companhias aéreas e no final, te redireciona para o site da empresa sem te cobrar nenhuma taxa por isso. Além disso, ter em mente a opção de flexibilizar as datas pode te possibilitar um bom desconto no final. Você e o seu vizinho de assento podem estar indo pro mesmo destino, mas pagando valores completamente diferentes.

Dica 3) Use e abuse do Google Maps para escolher a região de hospedagem.
O Google Maps é uma opção de busca com mil e uma utilidades. Depois de escolhida a cidade, pesquise a localização dos principais pontos turísticos que são do seu interesse. Há várias ferramentas para busca de hotéis e pontos turísticos no site. Se você vai depender de transporte público ou ''viação pé'' para conhecer a cidade, uma boa dica para economizar tempo e dinheiro é ficar na região cultural da cidade. Você poderá pagar um pouco mais caro na estadia, mas economizará em outros quesitos.

Dica 4) Utilize os sites de busca de hotéis para fazer as reservas.
Depois de muito pesquisar, descobri que organizar a viagem por conta própria pode sair até pela metade do preço do que seria através de uma agência de viagem. Existem muitos sites de hotéis, mas é bom pesquisar sua credibilidade em fóruns e sites de reclamação. Minha sugestão é o Booking.com, há anos no mercado com milhões de clientes, ele é reconhecido pela sua transparência e grande assistência àqueles que precisaram resolver algum problema. Utilizando as datas de entrada e saída, e os filtros como valor máximo da diária e número de estrelas, você encontra o melhor hotel pro seu gosto e seu bolso.

Dica 5) Seguro Viagem
É imprescindível a contratação de um seguro viagem se você está indo para o exterior. Dependendo do país, uma diária no hospital pode sair mais cara que toda a viagem. Sem falar que em caso de extravio de bagagem e algum problema mais grave com um parente próximo no país de origem, além de outras questões, o seguro tem a cobertura específica. Não se deixe levar pelos pequenos preços. Procure aqueles conhecidos mundialmente e, de preferência, utilizado por algum conhecido. Quanto mais detalhado for, melhor.

Dica 6) Curta a pré-viagem pesquisando
O período antes da viagem é tão gostoso quanto ela, propriamente dita. Aproveite para pesquisar sobre os locais do seu interesse, restaurantes, lojas e principalmente transporte. Hoje, já existe taxímetro online em grandes metrópoles, onde você pode fazer um cálculo estimado da corrida de um lugar a outro. Como o nosso objetivo é a economia, são muitas as alternativas de transporte. Além do bom e velho ônibus, as vans compartilhadas do aeroporto para o hotel podem sair bem mais em conta que o táxi. Para quem for ficar poucos dias em uma grande cidade, os ônibus vermelhos de dois andares, conhecidos por Hop On Hop Off, dão uma geral na cidade, passando pelos principais pontos e possibilitando ao turista parar onde quiser, e esperar pelo próximo nos pontos indicados. Existem ticktes de 24, 48 e 72 horas ilimitado, a partir do momento do primeiro uso.

Pesquisar mais textos:

Letícia Spínola Flávio

Título:Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Autor:Letícia Spínola Flávio(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Adriana SantosAdriana Santos

    10-11-2015 às 21:16:50

    Gostei das dicas! Valeu!
    Realmente, as pessoas que amam viajar encontram diversas formas, nem que seja um lugar próximo a sua cidade!

    Abraços!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios