Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Electrodomésticos > Ajude a “limpar” o Ambiente

Ajude a “limpar” o Ambiente

Categoria: Electrodomésticos
Comentários: 1
Ajude a “limpar” o Ambiente

Qualquer dona de casa (ou dono!) rende gratidão eterna a Henry Seely, criador do primeiro electrodoméstico da História, o ferro eléctrico. Não teria, com certeza, grandes parecenças com o ferro de engomar a que muita gente hoje dedica genuína aversão. Mas, o que sentiriam estas pessoas se tivessem de aquecê-lo com carvão em brasa? Naturalmente que não poderiam dispor de tanto tempo para uma só tarefa, para além de terem de agendar sessões contínuas de fisioterapia, motivadas pelo peso de tal apetrecho.

A par deste instrumento, o aspirador, o fogão, a máquina de lavar roupa e a da loiça, o microondas, o frigorífico, a torradeira, a batedeira, o esquentador, a ventoinha, o secador de cabelo, a televisão, o rádio, a máquina de costura, a de cortar relva e a de barbear, enfim, um sem-número de invenções vieram modificar, para melhor, o quotidiano dos lares. Há que agradecer estas novidades também a Thomas Edison, precursor da tecnologia, que inventou a lâmpada de filamentos.

Não há dúvida que a descoberta da electricidade foi uma ideia mesmo luminosa. A sua transformação em luz, calor, frio, movimento e outras formas, permitiu a concepção de equipamentos úteis para a limpeza, a produção, a alimentação, o conforto, etcétera. Não obstante, por ignorância ou falta de cuidado, ocorrem muitos acidentes relacionados com esta força magnífica. Observando algumas normas de segurança e de bom senso, como por exemplo não mexer nas tomadas com as mãos molhadas e não introduzir materiais metálicos nas suas ranhuras, não puxar os fios para desligar os aparelhos nem tê-los junto a fontes de calor, os riscos de fatalidades reduzem-se drasticamente.

Quando se compra um electrodoméstico, deve ter-se em atenção, não só o preço, como a capacidade, a eficiência energética e se possuem ou não o rótulo ecológico. Este rótulo é o garante de se estar a adquirir um produto que não contém, ou apresenta de uma forma apenas residual, substâncias tóxicas ou perigosas do ponto de vista ambiental, que é prático, saudável e confortável, e que economiza recursos, como água e energia. Se estes artigos são mais amigos da Natureza, comparativamente a outros, significa que são, essencialmente, melhores. O nível de desempenho não é suficiente para uma escolha consciente. Os padrões de qualidade ambiental também devem pesar na decisão, até porque os impactos nocivos de não se preocupar com o Ambiente e, consequentemente, com a saúde far-se-ão sentir por todos!...

Os electrodomésticos com o rótulo ecológico têm de poder ser desmontados e facilmente reciclados. Os fabricantes são obrigados a assegurar a retoma gratuita dos instrumentos fora de uso. Então, e o que é que acontece aos indivíduos que adoecem?...



Maria Bijóias

Título: Ajude a “limpar” o Ambiente

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãohugo f.

    15-05-2009 às 23:02:15

    Fui ao Me.... comprei um frigorifico. Claro que sai de lá todo inchado com atitude de ter feito uma boa compra. O frigorifico foi muito barato, e até agua fresquinha deita. No entanto passado 2 meses a minha mulher, reparou que a conta da electricidade tinha aumentado. Demos voltas e mais volatas para identificar de onde puderia surguir tal aumento, e por mero acaso reparamos que do lado esquerdo do frigorifio ainda estava la um autocolante com letras e uma seta. A seta não apontava a letra A.
    Que barato que me custou quele frigorifico. TóTó.Sou mesmo um TóTó, então eu não reparei na etiqueta do consumo de electricidade.

    Aprendi que "O barato sai sempre mais Caro"

    Olho aberto pessoal!

    ¬ Responder

Comentários - Ajude a “limpar” o Ambiente

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios