Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > O nascimento do Renascimento

O nascimento do Renascimento

Categoria: Arte
Visitas: 18
O nascimento do Renascimento

A Itália foi o berço do Humanismo e do Renascimento artístico. Este período mediou entre cerca de 1420 e 1600, e presenciou o nascer de obras imortais, que ficaram para a posterioridade. Caracterizou-se pelo renascimento das artes, das ciências e dos costumes; pela recuperação da Antiguidade clássica; pela crença no valor do Homem e na razão; pela aprovação de uma filosofia mais pragmática; pela aceitação de novos cânones estéticos e artísticos; e, por fim, pela mentalidade quantitativa e pelo interesse pela natureza. O Renascimento foi a busca pelo saber e pela beleza.

As características do Renascimento foram a perspectiva, o gosto pelo retrato, a opção pelos temas profanos, o domínio da cor, da luz, do movimento, do espaço e da plasticidade.

No fim do século XV, a imprensa, a publicação dos tratados ilustrados, as viagens fora de Itália dos grandes artistas patrocinadas pelos seus mecenas, assim como as viagens diplomáticas contribuíram para a difusão dos modelos italianos. Todavia, a sua passagem a outros países não foi automática, nem se fez de forma igualitária. Quando as influências italianas se confrontaram com outras culturas, surgiram obras muito interessantes. Foi a transmutação cultural de Itália para os outros países.

Contudo, os Países Baixos opuseram-se à influência italiana, pois não precisavam dela, tendo uma arte nacional rica e inovadora. Temos como exemplo Pieter Bruegel, um pintor que viajou por Itália, mas que quando regressou às suas origens, negou a influência italiana nas suas obras. Em Itália, houve uma ruptura cultural com a Idade Média, através da retomada de elementos da Antiguidade clássica, ruptura essa que não aconteceu de imediato nos Países Baixos.

Porém, na Idade Média a arte não é natural, mas simbólica. A Igreja Católica usava símbolos para passar a mensagem, que tinha quase sempre motivação religiosa. A arte medieval não precisava de representar a realidade, pois trabalhava no mundo dos símbolos.

Para o Renascimento, tudo isto está presente, mas de uma forma natural. O homem renascentista já não quer só a arte simbólica da Idade Média, mas uma arte que se assemelhe à realidade. Toda a pintura deste período evolui na criação de espaço. O primeiro artista que vai aproximar-se precisamente deste ponto é Giotto di Bondone, cuja concepção realista do espaço pictórico e das personagens foi percursora ao longo do tempo.


Daniela Vicente

Título: O nascimento do Renascimento

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 18

727 

Comentários - O nascimento do Renascimento

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios