Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

Categoria: Arte
Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

Os primeiros cristãos reuniram-se em pequenos grupos em casas particulares. O partir do pão fazia-se de casa em casa, assim como partilhar do vinho.

Durante a década de 1920 foi feito um achado arqueológico na cidade síria de Dura-Europos, que nos permite ver o deverá ter sido um local típico de reunião cristã. Começam por ser casas privadas e modestas e tinham quase sempre um baptistério. A casa é uma típica domus romana de dois andares, com uma grande sala que dá para o átrio, que poderá ter servido como sala de assembleia, enquanto outro espaço terá sido reservado para o baptismo, a avaliar por uma fonte que ocupa uma parede. A fonte é coberta por um arco em pedra e cenas em fresco decoram a fonte e as paredes laterias. Na luneta está um Bom Pastor, equilibrando um cordeiro nos ombros e encaminhando o seu rebanho. Nas paredes laterais estão três mulheres, podendo ser as Três Marias no Tumulo.

Em meados do século III as comunidades cristãs já tinham alguma importância, e quando passou a vaga de perseguições estabeleceram-se paróquias em Roma. Cada paróquia tinha uma igreja própria, identificada por um titulus. A religião cristã começa a crescer e a ter uma liturgia mais elaborada que exigia espaços permanentes. Estas igrejas deveriam possuir: uma sala para os serviços religiosos, com dimensões alargadas, uma divisão entre clero e leigos, uma mesa de altar, uma mesa para as oferendas e uma cancela baixa em madeira; um vestíbulo para ouvir a missa; um baptistério com pia baptismal; alguns espaços de apoio para a catequese, para a administração, para arrumar a roupa entre outros fins; quartos para os membros do clero; e um pátio. Havia dois tipos de serviços: serviço aberto a fiéis e catecúmenos e serviço reservado a fiéis. Havia dois tipos de igreja: construído a pedido dos imperadores ou construído pelo patrono ou congregação.

Após a a vitória de Constantino na Ponte de Mílvio sobre Maxêncio, Constantino, Imperador de Roma, mandou erguer a Basília de S. João de Latrão, em Roma. A construção iniciou-se em 313 e terminou por volta de 318. A basílica tinha 100 metros de comprimento, 53 metros de largura, um transepto saliente e 5 naves divididas por arcadas. Ao longo do tempo, a Basílica de São Pedro foi substituindo esta, pois atrais os fieis com o tumulo de São Pedro.

Daniela Vicente

Título: Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Comentários - Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os 10 melhores queijos holandeses

Ler próximo texto...

Tema: Alimentação
Os 10 melhores queijos holandeses\"Rua
Os holandeses são conhecidos como “cabeças de queijo”. A partir daí, podemos notar e concluir que não são apenas amantes de queijo, mas também grandes produtores.
O queijo está presente na Holanda há milhares de anos, desde os tempos de Júlio César, que ficou encantado com os queijos que encontrou no local. Desde então, os queijos holandeses dividem espaço com as flores como símbolo da cultura da Holanda, gerando a maior parte do combustível econômico do país.

Os holandeses fabricam 650 milhões de quilos de queijo por ano, exportando dois terços desse volume para outros países. São os maiores exportadores de queijo do mundo.
Além disso, cada cidadão da Holanda come por ano, em média, 15 quilos de queijo.

Conheça os 10 melhores tipos de queijos holandeses:

1- Queijo Gouda
O queijo recebe o nome da cidade onde é produzido e é responsável por dois terços de toda a produção de queijos da Holanda. É o mais famoso e copiado no mundo.
Trata-se de um queijo macio e cremoso, em formato circular, com os famosos furinhos no meio. Pode-se encontrar variações no tempero, como especiarias e ervas finas. Possui um nível elevado de gordura de 48%, mas que garante o sabor único, úmido e macio do queijo. É considerado um dos melhores queijos do mundo.

2- Queijo Edam
É facilmente reconhecido por possuir no seu interior a coloração amarelo claro e camadas vermelhas ou alaranjadas nas partes mais externas. Possui um sabor picante e é mais seco se comparado com o tipo Gouda. Por esses motivos, possui menos gordura, 40%.

3- Queijo Leiden
Possui menor teor de gordura em comparação com os anteriores por se tratar de leite coado na fabricação do queijo. É mais firme e robusto, com consistência mais rígida. Pode conter especiarias em seu interior. Possui maturação mais prolongada e é prensado, o que o torna mais firme. Além de conter pimenta cominho na preparação da sua massa, dando um sabor mais do que especial ao queijo.

4- Queijo Maasdammer
Queijo com sabor de nozes fabricado na cidade de Maasdam. Também possui os famosos buracos no seu interior e um sabor peculiar e distinto. Possui estrutura firme, consistente, devido a sua cura precoce, de aproximadamente quatro semanas.

5- Queijo Cablanca
Esse queijo de cabra é classificado de duas maneiras: um tipo é fresco e mole, mais suave e cremoso; o outro é semiduro e curado, semelhante ao aspecto dos queijos gouda.
Os primeiros possuem sabor agradável e leve, por serem mais frescos. Enquanto os segundos possuem sabor mais forte e cítrico.

6- Queijo Boerenkaas

Queijo feito essencialmente de forma artesanal, o que o torna um queijo único e exclusivo, além de mais caro que os demais. Pelo menos metade do leite utilizado na fabricação desse queijo deve ser originário de vacas que são criadas na própria fazenda produtora. Além disso, o restante do leite utilizado não pode ser proveniente de mais do que duas fazendas diferentes e próximas ao local original de produção do queijo.

7- Queijo Defumado
Esse tipo de queijo é um pouco diferente dos demais. É fabricado e praticamente finalizado, após isso, é derretido e novamente prensado em formato de embutidos. É geralmente vendido por fatia, em formato de linguiça.

8- Queijo de cravo da Frísia
É um queijo preparado de leite desnatado na região da Frísia.
Além do cominho, leva na fabricação da sua massa pitadas de cravo. Isso garante a esse queijo um sabor forte, seco e rústico. Sua consistência é firme.



9- Queijo Parrano
É um queijo de vaca que possui um sabor que combina com doces aromas.
É um queijo feito nos moldes dos queijos italianos, parecido com a textura do parmesão. Por isso mesmo, é bastante usado na gastronomia italiana.

10 – Queijo Graskaas

Esse queijo é especial pois é feito a partir do primeiro leite produzido pelas vacas após retornarem da pastagem, depois de passarem o inverno trancadas nos celeiros.

Pesquisar mais textos:

Filipe Mixa

Título:Os 10 melhores queijos holandeses

Autor:Filipe Mixa(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios