Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Animais Estimação > Piscicultura - Como criar Guppys

Piscicultura - Como criar Guppys

Categoria: Animais Estimação
Visitas: 3
Comentários: 3
Piscicultura - Como criar Guppys

Os Lebistes (crias de Guppy) são bastante resistentes. Existem poucas probabilidades de eles sofrerem alguma doença. Contudo, existem algumas situações que deve ter em atenção: diferenças de temperatura, excesso ou escassez de alimento, falta de plantas aquáticas… Caso tenha os cuidados básicos os Guppys são uma espécie fácil de criar. Se ainda é amador neste tipo de criação é a espécie ideal para começar.

É possível prever a coloração dos Guppys da seguinte forma:

Macho Dourado x Fêmea Cinza – Filhos e Filhas Cinza




O cinza domina em relação ao dourado. Mas, na segunda criação quando estes filhotes acasalarem terão genes dourados e cinzentos, embora a única cor que é visível é o cinzento dominante, a probabilidade de nascer um dourado é de 1 em 4.

As fêmeas Guppy têm muitos filhotes, podem ultrapassar os 28. Contudo, podem sobreviver poucos. A fêmea mãe não costuma ter uma esperança de vida muito longa após o nascimento dos seus filhotes.

Assim que eles nascem devemos separá-los da mãe, existem à venda uns recipientes próprios para colocar a mãe enquanto ela não tem os bebés a fim de os separar dos restantes peixes dentro do próprio aquário. Se optar por este recipiente, quando os bebés nascerem separe-os numa quantidade de cinco por recipiente. Devido ao seu tamanho pequeno, estes podem ser ingeridos facilmente por outros peixes e pela própria mãe por isso o cuidado deve ser acrescido.

Se a sua intenção for criar somente Guppys, pode optar por um aquário só para esse efeito e colocar o oxigénio, o termómetro e um aquecedor adequado ao aquário que utilizar. A temperatura da água deve estar entre os 27º C e os 30º C.

Assim que os Guppys nascem, devem ser alimentados de imediato com um alimento próprio. É importante verificar se a percentagem de proteína contida nesse alimento não é inferior a 45 %. A alimentação destes peixinhos deve ser feita com mais regularidade que o normal e em pouca quantidade. Assim que estes crescerem, pode alimentá-los com o alimento normal.

Quando estes ficarem do tamanho da mãe ou próximo, dependendo dos peixes que tem no aquário, pode colocá-los juntamente com os outros peixes. Embora deva sempre ter precaução, pois se os restantes peixes forem grandes existe sempre o risco dos Guppys serem ingeridos mesmo sem intenção.

Boa Sorte!


Rua Direita

Título: Piscicultura - Como criar Guppys

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 3

771 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Carina Anjo

    02-11-2014 às 18:37:00

    é bastante fácil fazer criação de guppys segundo as regras. são peixinhos pequenos mas muito bonitos!

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    16-06-2014 às 17:10:10

    Adoro os peixinhos. Até hoje sinto vontade de ter uma aquário e criá-los com todo o cuidado que merecem. Os guppys não os conhecia, mas pela foto percebe-se que são lindos!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Carina FariaCarina Faria

    17-09-2012 às 23:39:57

    Bastante simples e de fácil interpretação

    ¬ Responder

Comentários - Piscicultura - Como criar Guppys

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios