Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Telemóveis > A moda do telemóvel

A moda do telemóvel

Categoria: Telemóveis
Visitas: 14
Comentários: 3
A moda do telemóvel

A maior parte de nós não tem noção da dependência que patenteia relativamente à tecnologia. Acções do dia-a-dia, como enviar uma mensagem ou conferir a existência de correio no e-mail de cinco em cinco minutos tornaram-se tão naturais que já não se lhes dá importância nem reparo. A Internet e os telemóveis lideram o ranking desta servidão. Trata-se, muitas vezes, de um distúrbio psicológico a que não é dada a devida atenção. É claro que para tal diagnóstico não se baseia apenas do número de horas dispendidas com os aparelhos, mas normalmente há todo um conjunto de atitudes paralelas que evocam patologia.

Estudos efectuados por institutos de ensino superior atestam que mais de 50 por cento dos alunos têm o telemóvel ligado na escola, sendo que a maior parte, cerca de dois terços, afirma que o aparelho só lhe é útil se estiver ligado ininterruptamente, e outra parcela admite nunca o desligar ou retirar o som, mesmo em velórios, missas, funerais e consultas médicas.

Actualmente, é exigido aos jovens, desde tenra idade, que se mantenham constantemente em contacto, e se algo falha a nível do engenho ou da rede, instala-se o caos e o fim do mundo parece iminente. O contacto em permanência não é sinónimo de dependência; constitui, antes, uma mediação que responde à necessidade de comunicar.

A moda do telemóvel não se refere somente a andar com ele para todo o lado, mas a trocá-lo sistematicamente, não porque o antigo se tenha estragado, mas porque o novo oferece funcionalidades diferentes e mais apelativas. A dependência afectiva do telemóvel reveste-se, também, de um carácter fashion… Para além de prático, com a possibilidade de ser utilizado como leitor de MP3, máquina fotográfica e de filmar e software de processamento de texto e acesso à Internet.

McLuhan, teórico de comunicação canadiano, declara que as tecnologias são uma «extensão do Homem», funcionando como um meio de interacção deste com a realidade que o envolve. Não obstante, apesar dos incomensuráveis benefícios, tudo o que é em excesso não pode trazer apenas regalias. Onde ficam a leitura e o convívio mais convencional? Até os namoros se processam com recurso a SMS, e a arte da sedução já se serve das mensagens escritas para marcar encontros amorosos com as pessoas visadas.

As campanhas promocionais das operadoras móveis assentam, em grande medida, em elevadíssimas taxas de penetração do telemóvel, em alguns casos acima dos 100 por cento, e na tendência de crescimento da sua utilização. A pressão social tem aqui, igualmente, uma palavra a dizer: o facto de toda a gente ter um telemóvel leva a que quem não o tem se sinta um “bicho raro”. A exclusão, ainda que tecnológica é difícil de gerir…



Maria Bijóias

Título: A moda do telemóvel

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 14

667 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    03-11-2014 às 02:30:10

    Essa moda do telemóvel realmente pegou de tal forma que as pessoas estão muito mais dependente para fazerem qualquer coisa.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    02-06-2014 às 16:56:24

    Essa moda do telemóvel é cada vez mais intensa na vida das pessoas. Parece que as pessoas não respiram mais sem tê-lo ao lado. Elas têm que se libertarem dessa prisão.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojoao

    20-05-2009 às 18:41:26

    Vivo com 2 telemóveis. A minha namorada por vezes tem ciumes. Acordo e deito-me sempre com eles. Sem telemóveis stresso. Bato muito mal.

    Por isso dona Maria Obrigado pelo seu sacarsmo e os telemóveis.

    ¬ Responder

Comentários - A moda do telemóvel

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios