Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Relacionamentos > Será Que Realmente Somos Livres?

Será Que Realmente Somos Livres?

Categoria: Relacionamentos
Será Que Realmente Somos Livres?

Há muitos questionamentos do ser livre. Com o passar dos anos, alguns conceitos foram mudados de acordo com o desenvolvimento e evolução do homem. As coisas estão muito mais livres, no sentido de visualizar explicitamente, que tempos passados.

É como se o homem tivesse posse de sua liberdade sem se responsabilizar pelos seus atos.

Como diz, normalmente, alguns: “Tenho liberdade de fazer o que quero, independente se vai machucar alguém, ofender”. Com isso, isenta sua própria responsabilidade individual e sua ação na vida de outro ser. Até que ponto somos responsáveis pela nossa liberdade?

O filósofo Renato Janine Ribeiro faz um questionamento quanto a relação de liberdade e responsabilidade. Ele defende que a responsabilidade é que pressupõe a liberdade, não o contrário; temos que pressupor que somos responsáveis, para então ser livres. “Só quando sou capaz de responder pelos meus atos é que eu tenho a liberdade para fazer minhas escolhas”, afirma.

Se você já aprendeu a se responsabilizar por tudo que faz, ou seja, suas escolhas, decisões, caminhos a seguir, e a consciência de que essa liberdade irá influenciar positivamente ou negativamente a vida de alguém, então você pode se considerar uma pessoa livre.

Se tomarmos isso mais a fundo podemos afirmar que tudo que cometemos com a nossa vida e envolvemos alguém nisso, usando de nossa liberdade, devemos assumir total responsabilidade por quaisquer que forem as consequências. Sejam boas ou ruins!

Por exemplo, o sexo. Ele está sendo praticado pelo ser humano como um ato livre, porém, muitos não assumem a responsabilidade do que esse ato pode ocorrer na vida de outra pessoa como uma gravidez indesejada, uma doença sexualmente transmissível, dentre outros.

Assim, não podemos dizer que essa pessoa é livre, quando na verdade, ela nem sequer tem maturidade para assumir tal atitude e cai fora rapidinho. E com isso, há dores, feridas na alma, desilusões, aflições e muitos sofrimentos na vida da outra pessoa. Isso é usar de libertinagem e não liberdade.

Portanto, caro leitor, deixo aqui uma reflexão de como nós temos usado de nossa liberdade. Será que somos capazes de nos responsabilizar por tudo que fazemos? Será que podemos afirmar que realmente somos livres? Somos suficientemente maduros para fazer certas escolhas?

“Tudo é permitido, mas nem tudo convém. Tudo é permitido, mas nem tudo edifica”
- 1 Coríntios 10:23


Luene Zarco

Título: Será Que Realmente Somos Livres?

Autor: Luene Zarco (todos os textos)

Visitas: 0

377 

Comentários - Será Que Realmente Somos Livres?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios