Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Mário & Maria

Mário & Maria

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Mário & Maria

Mário & Maria
Mário, um rapaz galante de cabelos pretos e de olhos azul marinho, de pele negra. É brasileiro, mas naturalizado Iraquiano, é militar e lutou bravamente, como ainda continua lutando pelo seu país que atualmente vive numa guerra fria.

Maria, já de idade avançada, embora continue a trabalhar como médica cardiologista e junto ao grupo conhecido como Médicos sem Fronteiras, continuou a trabalhar como voluntária por ter tanto amor à vida.
Maria, acionada pelo Governo Federal do Brasil foi convocada a uma missão no Iraque para trabalhar prestando trabalhos comunitários aqueles que, por loucura ou por amor, decidem lutar pelo país a que representam.

Mas, quando chegou no Iraque, conheceu Mário que clamava pela vida, gritando para quem ouvisse que o ajudasse a tirar a dor que tanto sentia por se ver no precipício da escuridão que parecia o chamar para morrer, embora ele pedia para que não o deixasse morrer porque amava por demais à vida que para ele só começava, pois somente havia vinte e cinco anos e Maria, bastante se sensibilizou até por demais, mas havia um porém aí, ela tem cinquenta e nove anos e tinha idade para ser mãe do rapaz, porém esse amor que lhe ofertou o coração foi maior que essa virgula, embora ela ainda não o reconhecesse por ser um sentimento ainda mascarado e Mário, além de ser jovem que tem uma família totalmente presa aos costumes.
Devido a isso, ela não alimentou às esperanças, embora o destino tanto se articulava para juntá-la a Mário. Maria, já no improvisado hospital, pediu a alguém que entrasse em contato com alguém da família, mas ele logo pediu-os que levassem para o Brasil, pois imaginava que lá teria boas condições para que logo se recuperasse.

E foi isso o que aconteceu, ele foi ao Brasil e ficou aos cuidados de Maria que foi quem observava e se encarregava de todos os cuidados para com ele. Mário, desde o dia em que ele foi ferido gravemente, ao ver a metade de seu corpo pegar fogo e ter sido um grande milagre a sua sobrevivência, não mexia nenhum membro do corpo e somente se comunicava através do olhar.
Maria, desde então começou a cuidar dele como se fosse um filho e ela começou a fazer plantão todos os dias nesse hospital. Ela era casada, tinha dois filhos gêmeos e ambiciosos por demais, e um detalhe, os dois namoravam duas gêmeas idênticas assim como no caso dele que é gêmeo idêntico.

Um desses filhos descobre que a mãe deles, quase não voltava para casa, passava a noite no hospital e ao lado de Mário e quando esse filho descobre, começa a extorquir a própria mãe para se manter com a boca fechada, mas isso foi deixando-a irritada e magoada Maria, então ela decidiu não dar mais o dinheiro e o filho, Bartolomeu começou a se envolver com um pessoal da pesada que começou a prática pequenos furtos até que foi parar na prisão.

Depois de um ano, conseguiu fugir e começou a arquitetar com esses amigos um sequestro de Maria, mas ao vê-la nas mãos de seus amigos do mau que estavam com um revolver ponto quarenta na cabeça dela, ele resolve pedir perdão, mas seus amigos terminaram o serviço que acabou deixando-a paraplégica.

O hospital a que trabalhava como voluntária ofereceu-lhe o tratamento, condicionando uma maior aproximação entre os dois que por meio de um código se conheceram melhor, conversando apenas pelo olhar, mesmo ela recebendo visitas da família que não sabia de nada e o filho desnaturado, depois de se entregar de bandeja para as drogas começou a morar bem longe dali na rua mesmo sabendo da condição da mãe, deixando a namorada que tanto o amava para trás, assim como toda a família, mas uma certa vez, a namorada que nunca havia deixado de amar, nem mesmo de acreditar na hipótese de reencontrá-lo vivo para acolhê-lo independente do estado que estivesse porque o amava por demais e acreditava que o faria voltar a ser quem era antes de conhecer o caminho das drogas.

Ele contou tudo à namorada sobre a mãe, depois de um tempo internado em uma clínica de recuperação e que havia arquitetado o plano de matar a mãe, ela foi embora para digerir tudo que ouviu sem julgá-lo, embora a vontade dela era de pegar ele pelo pescoço e no dia seguinte ela voltou na clinica e pediu-o que perdoasse a mãe que ela tinha como sogra, embora também a tinha como mãe.

Depois de um tempo se recuperando na clínica, ele foi para casa onde pediu à tamanha piedade de seu amor por ter tentado matá-la, mas ai, será que ela perdoará o filho?


Kaique Barros

Título: Mário & Maria

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 2

0 

Comentários - Mário & Maria

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios