Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Tunturi - António Vieira

Tunturi - António Vieira

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 101
Tunturi - António Vieira

Ler um livro que leva ao leitor uma perspectiva de vida completamente diferente pode ser uma experiência de êxtase ou frustração. António Bracinha Vieira promove uma cápsula de êxtase com o seu livro Tunturi.

António Bracinha Vieira nasceu em 1941 em Lisboa, vindo a se formar em Medicina com especialização em Psiquiatria pela Faculdade de Medicina pela Universidade de Lisboa. Chegou a lecionar etologia animal/humana e paleontologia na Universidade Nova de Lisboa, sendo o fundador da Sociedade Portuguesa de Etologia. Tem profundo interesse na filosofia, ciência e etologia da Medicina, e seu romance Tunturi carrega mescla muito bem estes temas à trama presente no livro.

Tunturi acompanha a história da selvagem que dá nome ao livro, uma mulher que pertence à tribo dos Sámi na Finlândia, por volta de 1990. Seu nome referencia as montanhas sagradas, demonstrando toda a sensação de limite que o autor propõe, tanto do ambiente como o da própria personagem.

Tunturi não é um livro de ação, mas de sentimentos e sentidos. O que vale aqui é a experiência de ver o mundo aos olhos de uma moça solta das amarras que seguram e sustentam a sociedade moderna. O contato com a natureza é único e sagrado, provocando sensações tanto na personagem título como no leitor. Não há imposição moral além das crenças herdadas da tribo, que aliás, são completamente diferentes das crenças religiosas que cercam e direcionam as pessoas. Esta sensação de estranheza proporciona uma experiência muito interessante.

Entretanto um livro não pode sobreviver de sensações. O caminho temporal de Tunturi relatado no livro é apenas parte da jornada da jovem; é como se o autor desse a oportunidade do leitor ser, mesmo que por alguns instantes, Tunturi. De fato, ser Tunturi é celebrar a rotina sagrada do contato com a natureza e seus enigmas, sofrer a exposição do ser, a agressão e a paixão da vida em contato com as outras pessoas.

Os estudos etológicos, e a relação entre humanidade e natureza são usados como plano de fundo, assim como a cultura de Tunturi. António Vieira cumpre o papel de induzir o leitor a abandonar seu próprio mundo e caminhar sobre os pés de uma estranha.


Wallace Randal

Título: Tunturi - António Vieira

Autor: Wallace Randal (todos os textos)

Visitas: 101

608 

Comentários - Tunturi - António Vieira

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios