Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Como sobreviver a um dia na estrada

Como sobreviver a um dia na estrada

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Como sobreviver a um dia na estrada

O teu corpo terá que entranhar-se no carro. Entrarás lá dentro, literalmente, enquanto no rádio as ondas do micro áudio, aquele aparelho que te custou uma pipa de massa, saem repetidamente para entrarem dentro da tua vontade.

A ignição é puramente mental, a tecnologia está de tal maneira avançada que deixou de se utilizar qualquer chave para desvendar segredos ou apenas abrir qualquer coisa.

Sim, o mundo está diferente, a chave é simplesmente entenderes que o teu corpo tem de estar ligado ao desejo, à tua busca incessante pela felicidade, que nunca encontras.




Os filhos da noite deixaram as suas camas frias e amores perdidos para se entranharem nas estradas, refúgio da loucura do ser humano, sempre tão normal e tão idiota que se esquece que o espírito sem substância não tem gozo, seja ela feita de carne e osso ou de avantajadas convulsões vulcânicas. Sim, lava ardente a sair da montanha a ferver que depois de percorrer um caminho de imparável destruição repousará no horizonte, para sempre.

E então, entras no carro, já velho, e pensas que governas o mundo que ninguém te deixa desfrutar como deve ser. O corpo leva o seu tempo a ligar-se à máquina e a existência depende disso para conseguir distrair a mãe natureza. Depois de ligado, já podes fechar os olhos e até sonhar com aqueles velhos tempos em que as coisas eram feitas com gozo, em que era normal falhar e até pagar por isso, com a própria vida. Algo anormal pensares assim, porque não pretendo que fundas o metal com a carne e depois extraias prazer dessa união perversa.

Vais então para a estrada, enquanto as ondas sonoras do micro áudio te levam a outra dimensão, em que a crise é um modo mental de estar, com consequências nefastas para a carteira, um objeto sempre devastador quando vazio. Sentes esse vazio e passas a andar numa estrada movimentada, com serpentes venenosas com nariz a desviarem-se de tubarões com duas pernas, todos ao volante, despejando frustrações em cima de vidas que apenas vivem os seus cinco sentidos da forma mais simples possível. E apesar do perigo, consegues fugir ao acidente, às estatísticas da loucura e voltas ao teu mundo.

A viagem demora sempre o mesmo tempo, as filas não existem, deixaram de apitar e a paisagem é aquilo que tu queres que seja e consegues vibrar, viver uma vida numa simples ligação proporcionada por ondas sonoras que te atacam diretamente a vontade.


António Borges

Título: Como sobreviver a um dia na estrada

Autor: António Borges (todos os textos)

Visitas: 0

602 

Comentários - Como sobreviver a um dia na estrada

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios