Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Mobiliário > Resolva o problema das gavetas perras

Resolva o problema das gavetas perras

Categoria: Mobiliário
Visitas: 26
Comentários: 3
Resolva o problema das gavetas perras

As gavetas são extremamente úteis, nelas guardamos todo tipo de coisas, é bem verdade que a utilidade principal é para guardar roupas, por isso temos as cômodas, elas são compostas por um determinado número de gavetas que possibilitam guardar de maneira ordenada. Muitas camas, já são produzidas com gavetões em baixo para arrumar as roupas de cama que são os lençóis, as fronhas, cobertores e mantas.

Voltando a cômoda, é o móvel mais comum de ter gavetas independente do tamanho mas há outros móveis que também tem gavetas e que estão inseridos no quotidiano, por serem tão comuns e estarmos tão habituados nem nos damos conta, ou melhor; damos atenção quando queremos abri-las e estão emperradas. É horrível ter de ficar fazendo força para abrir uma gaveta, tentando empurrar e puxar e pior ainda qunado abre torta, abre mais de um lado do que do outro, aí não tem jeito, é um abre e fecha até conseguir abrir a gaveta, só que até se conseguir tal feito, a paciência já se foi e a irritabilidade se fez presente.
Parece uma coisa à toa mas quem já passou por isso sabe como é desagradável e irritante, ainda bem que tem solução.

Conforme a gaveta vai sendo usada, no abre e fecha, mesmo não sendo a todo momento, se for de madeira, a madeira incha ou resseca e então a gaveta fica perra. Alguns móveis que tem gavetas de madeira, são produzidos com duas madeiras que formam o encaixe para o deslizamento da gaveta, outras são produzidas com carretilhas de encaixe para facilitar o deslizar das gavetas. Em ambos os casos temos a seguinte sugestão para solucionar esse problema, sim porque é um problema mesmo e se tratando de gavetões a força emprega é ainda maior, é aí que muitas pessoa se habituam por força da situação a empurrar a gaveta com a barriga.

Vamos a sugestão: passar cera líquida incolor pastosa com um pano nas carretilhas que são os trilhos das gavetas quando tiver, ou nas madeiras no lugar do deslize, parafina também resolve o problema mas tem que ser pastosa. A cera líquida é a cera comum usada para passar no chão da casa, se for um momento em que não tenha esses produtos, pode-se esfregar vela para ajudar, lembrando que tem que estar apagada.

Soluções como essas, ajudam a solucionar o problema das gavetas perras e permitir que possamos abrir nossas gavetas sem que seja preciso fazer tanta força.


Sílvia Baptista

Título: Resolva o problema das gavetas perras

Autor: Sílvia Baptista (todos os textos)

Visitas: 26

766 

Imagem por: mrmanc

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãomarilia

    19-04-2016 às 09:41:48

    se já esta emperrado,colo soltá-la inicialmente?

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    20-04-2014 às 15:39:28

    A Rua Direita adorou o texto, parabéns!

    ¬ Responder
  • biabia

    04-02-2012 às 23:39:35

    se já está emperrada, como sotar a gaveta?Muito obrigada!

    ¬ Responder

Comentários - Resolva o problema das gavetas perras

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: mrmanc

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios