Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > O desporto no mundo

O desporto no mundo

Categoria: Desporto
Visitas: 34
Comentários: 1
O desporto no mundo

O desporto é algo que faz parte da sociedade nos quatro cantos do mundo, ele está presente na vida de todos nós seja através de que modalidade for, seja mais ou menos intensamente. O desporto faz parte da cultura mundial e contribui mais ou menus para a felicidade de cada um, dependendo do grau de importância que dá cada um ao mesmo. Contudo a euforia desportiva é um fenómeno em ascensão e nenhuma zona do globo foge à regra, facto que mostra que o desporto está a intensificar-se na cultura das populações.

Num mundo como o que temos em que vemos pobreza e miséria oposta à riqueza e excentricidade de muitos que possuem mais que o produto interno bruto de alguns países, a euforia do desporto chega a todo o lado, e quer queiramos quer não uma conquista desportiva do emblema pelo qual uma pessoa torce é sempre um sinal de alegria mais que não seja interior não a mostrando cá para fora, devido aos mais diversos motivos, represálias, tristezas com a vida ou factos que façam com que nada nos alegre, contudo a euforia desportiva não morre dentro de qualquer individuo e manifesta-se, o que faz com que mesmo em momentos deprimentes vejamos todo o mundo nas ruas a gritar, a cantar, a soltar toda a energia da ponta de felicidade que enche a alma derivada da euforia que os enche. Nem que no dia seguinte tudo esteja de novo em baixo e se faça de conta que o dia de ontem não existiu.

Posto tudo isto para dizer que cada vez as pessoas se unem ao desporto e o desporto une as pessoas mesmo segregando-as às suas crenças e escolhas desportivas, o desporto cria um espírito de equipa e de união que faz bem ao ego de qualquer e que pode ser um ponto positivo bastante importante em momentos negativos pelos quais todos nós passamos. Contudo, tudo o que é em demasia não é bom e os excessos devem ser evitados pois estes misturam o conceito de euforia desportiva com fanatismo, e o fanatismo funciona quase como uma obsessão mental que apenas provoca males na humanidade, pois não é nada saudável alem de retirar a verdadeira essência do que é o desporto e dos princípios que dele devem ser retirados como é de extrema importância e relevância a velha máxima “Play with fair Play”.

Vitor Costa

Título: O desporto no mundo

Autor: Vitor Costa (todos os textos)

Visitas: 34

805 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    02-07-2014 às 01:01:02

    O desporto ajudou-me muito a dar valor à vida. Contribuiu para uma vida mais saudável e sociável. Admiro as pessoas que levam a sério qualquer tipo de desporto, até porque enriquece a alma e faz muito bem ao corpo.

    ¬ Responder

Comentários - O desporto no mundo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios