Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Os primórdios da arte

Os primórdios da arte

Categoria: Arte
Visitas: 50
Os primórdios da arte

No Paleolítico Superior, a escrita era falada e utilizada como uma forma de reter informações para que estas não caíssem no esquecimento. No entanto, “falar” abrangia a comunicação através de grunhidos e da arte rupestre e não de letras e frases.

Embora o som seja importante para comunicar – grunhidos, música -, a arte rupestre é sem dúvida a maneira de comunicar mais marcante deste período, pois teve um desenvolvimento fantástico, que ainda hoje é visível em muitas cavernas espalhadas pela Europa – Lascaux, Chauvet, Altamira, Cosquer, entre outras.

Em relação ao som, há provas que podem levar à conclusão de que o Paleolítico Superior recorria a este método: a existência de tubos de ossos que hoje são usados como flautas, a descoberta do crânio de um mamute que poderá ter sido utilizado como tambor e, por fim, a presença de representações feitas pelos artistas de supostos indivíduos a tocar instrumentos.

Respectivamente à arte rupestre, esta era desenhada em cavernas e grutas com sangue, saliva, argila ou/e excrementos de morcego. Consta-se que a arte rupestre atingiu o apogeu no Magdalenense.

O Homo Sapiens Sapiens dominava técnicas sofisticadas para elaborar as ferramentas essenciais para capturar os seus alimentos. Grande parte destes alimentos era adquirida através da pesca e da caça, o que exigia técnicas e materiais específicos. Estas técnicas passavam de geração em geração através de um processo de demonstração, que funcionava como mais um elemento de aprendizagem. Portanto, o domínio destas técnicas exigia uma capacidade de memória de execução que se mantinha a longo prazo e era comum a todas as comunidades. A pesca e a caça eram temas utilizados pelos artistas na pintura. Logo, podemos deduzir que a arte rupestre era utilizada como suporte de memória, pois estes desenhavam as actividades – pesca, caça – ilustrando as técnicas e as ferramentas com que matavam o animal.

A arte era usada para comunicar com outras pessoas, sobretudo, dentro de um grupo de artistas ou de uma comunidade. Estes tinham como preferência desenhar animais, como o cavalo e o bisonte, mas também desenhavam cenas do quotidiano e gráficos. No entanto, os animais não eram desenhados aleatoriamente, pois um determinado animal estava destinado a ser desenhado num certo lugar, levando-nos a concluir que estamos perante sinais que são partilhados. Os gráficos representavam símbolos para os habitantes deste período. Actualmente, a representação incompleta dos animais, como por exemplo, a crina do cavalo, ainda é incompreensível.

O homem pré-histórico é, incrivelmente, observador e capta a realidade com grande precisão passando para as paredes e tectos da gruta esse realismo. Mais do que observador, é também inteligente, pois consegue aproveitar a morfologia das rochas para desenhar o movimento dos animais ou as características do seu corpo. Ao preservar este seu património, o homem pré-histórico, consciente ou inconscientemente, está a comunicar, pois está a passar para os povos seguintes informações do que aconteceu naquele período.
Existem indícios de que algumas cavernas decoradas foram visitadas várias vezes ao longo de milhares de anos. Os indivíduos que operavam nestas cavernas aparentam respeitar os padrões já existentes, de forma a não invadir os seus limites. É possível que estes visitantes tenham mantido na memória os significados das representações.

Algumas descrições foram também aparentemente retocadas, dado que se distinguem traços sobrepostos ou reunidos em algumas figuras. Em alguns casos estas alterações poderão ter sido executadas num curto espaço de tempo, no entanto, outras terão sido feitas milénios após a sua primeira realização. Pode também acontecer, apesar de mais raramente, que o novo grupo de visitantes destrua as pinturas dos seus antecessores.


Daniela Vicente

Título: Os primórdios da arte

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 50

723 

Comentários - Os primórdios da arte

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios