Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Cronologia do Egito - 3000 mil anos de história

Cronologia do Egito - 3000 mil anos de história

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Cronologia do Egito - 3000 mil anos de história

No período arcaico, o deus venerado e o rei andam juntos na arte. Os túmulos ficam na margem esquerda do rio, a Ocidente. Nos meses de junho, julho, agosto, setembro e outubro, o rio Nilo inunda as margens dando origem às terras férteis do Egito. A arte destes tem pequenos pormenores que a distinguem: aleta (acessório complementar do vaso para o transporte, onde se passa uma corda), maça periforme (símbolo da realeza e do poder) e as personagens (desnudas ou com estojo fálico).

O império Antigo foi fundado pelo rei Djoser. É um período glorioso e próspero na História do Antigo Egito. Heliópolis é o centro religioso da grandeza, onde se venera o deus rá. As primeiras construções em pedra surgem no reinado do rei Djoser, com o seu genial arquiteto, Imhotep. Os enterros reais eram geralmente identificados por um edifício retangular, a mastaba.

O governo central do Império Antigo desintegra-se com a morte do rei Pepi II, que levou à turbulência do 1º Período Intermédio (2200-2060 a.C.). Os senhores locais alimentam antagonismos entre o Alto e o Baixo Egito. As duas regiões só voltaram a encontrar-se na XI Dinastia, no reinado de Mentuhatep II, um rei que uniu de forma gradual o Egito. A capital passa para Tebas.

Os faraós do Império Médio tentaram uma política de consolidação, centralizando o poder. A ordem ficava assim estabelecida. O culto do deus Amon torna-se a religião oficial de Tebas.
O 2º Período Intermédio, de 1554-1080 a.C., deve-se à usurpação do poder pelos governadores provinciais.

O Império Novo, de 1554-1080 a.C., abandonaram os tradicionais túmulos com pirâmides, a aderindo aos túmulos escavados na rocha. A partir da entrada, um corredor descia na rocha em direção à câmara funerária. A câmara funerária era, habitualmente, decorada com pinturas do rei com deuses fúnebres, ligados à morte.

Na Época Baixa, de 1080 a 332 a.C., o Egito conhece uma governação instável com conflitos políticos e sociais, perdas de possessões e progressiva deterioração do poder.

Os Macedónios estiveram no Egito entre 332 e 305, sendo substituídos pelos Faraós Ptolomaicos, que permaneceram no país banhado pelo Nilo até 30 a.C.


Daniela Vicente

Título: Cronologia do Egito - 3000 mil anos de história

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 0

721 

Comentários - Cronologia do Egito - 3000 mil anos de história

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios