Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Poesias Apelativas

Poesias Apelativas

Categoria: Literatura
Poesias Apelativas

A Insanidade
A insanidade de quem friamente amar
Por tanto gostar ou tanto sentir raiva e rancor
A ponto de quase matar
Dando um banho santo de tantos beijos molhados de sua
Boca carnuda,
Ou a ponto de lhe dar também
Um banho de sangue capaz de que o faça
Sentir dor até na alma e
Manchando uma pureza que devia ser
Tão eterna quanto a vida de sua alma a que tanto admirava
E amava,
A ponto de tudo lhe fazer
Para te ver viver para ver a eternidade nos abrigar.

O Mundo
O mundo que há cada instante cresce
Com a massa populacional crescendo anda mais
Com uma ferida que não inflama,
Embora somente cresça provocando
Um sangramento não instantâneo,
Embora seja algo de tamanha constância,
Ferindo uma fama a qual a glorificava de
Agregar a todos a que vier de saúde,
Ou não devido a droga que o fez antes de conhecer
O mundo,
Conhecer o universo das drogas
Onde a desgraça predomina e a
Infelicidade se aproveita de toda essa impunidade.

O moleque
O moleque que um dia sonhou
Em ter uma casa sem que se esbarrasse na desgraça,
Caminho da perdição e
Da escuridão que proporcionava uma cela
De prisão e não o que mais sonhava de um dia
Proporcionar a quem ama
Como a família um futuro próspero
Sem que seja ao rumo da droga que proporcionava
Como recompensa a prisão,
Sem falar num dinheiro sujo com a mancha de sangue
Com cheiro de rato morto que o matou
Sem que fosse por amor.

O Futuro
O futuro a qual esperava proporcionar
A família que tanto ama e
Tanto admira o coração de cada integrante
De seu barco de papel e rasgado,
Por isso tudo e mais um pouco
Nunca deixou que sua fé se fosse junto
A tempestade de vento e neve que fazia de toda
A água invadisse um sonho a qual o deixava ilusório,
Com um futuro com a qual não se podia sonhar
Por se ver num presente à mercê da maldição
Que atraí a vida de quem muito sonha e
De quem muito fugiu de uma morte a qual tanto previa
Depois de conquistar o que mais sonhou por se configurar
Um esmero milagre em sua vida.

A Esperança
A esperança de quem reside nas ruas
Das grandes cidades usando as caixas de papelão
De seu colchão para que se deitasse
E tentasse fazer que o impossível acontecesse
Protegendo-se do frio ou do sol a qual abrigasse sua localidade
Tirando o mínimo do seu conforto,
Embora não chova tempestuosamente com predomínio
De um sarcástico frio e em questão de poucos minutos fazendo
Reinar a escuridão numa multidão
De desilusão que o tortura o coração
Descompassando a alma.

Crime
O crime que compensa seria apenas
O roubo de corações para fazer de refém
Quem é amado por alguém,
Seria apenas um roubo pela
Vida a qual dependesse de poucos milímetros
De sangue para saciar a alma
De quem alimenta o ódio com mais raiva,
Devido a uma obsessão por quem não ama,
Embora somente admire quem ama
Por não saber compreender o amor
Que incendeia e a paixão que apavora
Torturando a quem o odeia.


No Brasil
No Brasil a insanidade
Existe de quem governa por não usar
Os míseros miolos para pensar,
Nem mesmo solicitar aos universitários
Uma força que como vento o levaria
Em questão de poucos segundos ao auge do sucesso,
Sem tomar uma sequer,
Consideração da maciça inteligência de quem vos incrimina
Por usar quem vos incrimina como laranja,
Como uma Iemanjá de quem menos a manja
Que acaba pisando em uma jaca para exterminar
Com o Brasil a qual temos como nossa origem em toda essa
Patifaria mesquinha.

A Impunidade
A impunidade que inflama o mundo
De ódio que pela raiva foi transformado
Em um vício transformado por uma infelicidade
Que desferiu ao nosso coração toda a dor
Que sentida não por apenas por quem ama,
Mas por quem também admira outro alguém
Que nenhum vínculo tem com quem fez explodir o ódio
Que inflamava o seu coração à ponto de lhe causar
Feridas que talvez não sangre,
Nem crie feridas tão dolorosas embora doe mais
Que a verdadeira dor sentida por
Apenas amar quem não nos ama como a amamos
Já que podemos alcançar o infinito de seu coração,
Porém o impossível seja mudar o que sente.


Kaique Barros

Título: Poesias Apelativas

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Poesias Apelativas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como cuidar de Plantas de interior

Ler próximo texto...

Tema: Bricolage Jardim
Como cuidar de Plantas de interior\"Rua
Cada planta tem um comportamento diferente, vou colocar aqui alguns cuidados que servem para a maioria delas.

LUZ:

Os principais erros no cultivo de plantas de interior é a falta de luz.
Se elas estiverem em locais onde não há luz suficiente, isso pode ser corrigido com a instalação de luz artificial, existe no mercado lâmpada que imitam a luz natural.


TEMPERATURA:

Mudanças bruscas de temperatura retardam e até paralisa o crescimento da planta, bem como causa a queda de folhas.


UMIDADE:

A maioria das plantas necessita de uma umidade atmosférica adequada.
Normalmente notamos que a planta não está com a umidade correta quando acontece ficarem amarelas e a queda de folhas.


IRRIGAÇÃO:

Conselhos básicos:
Uma planta em fase de crescimento vai precisar de mais água que uma que está em fase de dormência, ou já atingiu o seu tamanho adulto.
Durante a floração a planta precisa de mais água que em sua fase de crescimento
Em ambientes internos mais quentes é evidente que a planta vai precisar de mais águas que em ambientes mais frios.
Para saber qual é o momento exato de molhar, enfie o dedo no substrato, se sentir ele seco, chegou a hora

FERTILIZANTE:

Para que a planta tenha um desenvolvimento harmonioso convém usar periodicamente de fertilizantes que podem ser líquido ou sólidos.
No mercado existe a venda fertilizante com fórmulas específicas para cada planta.
Após a utilização do fertilizante regue a planta.

LIMPEZA:

Faça regularmente a limpeza de folhas secas e caule, pois elas são bastante positivas não só esteticamente como para a saúde das plantas.
Se estiver acumulada muita poeira sobre as folhas, espane, e depois passe um pano húmido
Atenção: Existe algumas espécies, que tem as folhas aveludadas, tipo a Violeta Africana, Begônia Rex, etc. que não deve ser colocada água é só usar uma escovinha bem macia.

TROCA DE VASO:

De uma maneira geral após 1 ou 2 anos as plantas de interior devem ser colocadas em vasos de tamanho maior.
Isso deve ser feito porque as raízes passam a ocupar um grande espaço e também porque o substrato vai perdendo sua composição inicial.
A época mais adequada varia de planta para planta, algumas devem ser feitas na primavera e outras quando estão na fase de repouso.
Aproveite para obterem mudas, separando brotos e dividindo touceiras.

Pesquisar mais textos:

Miguel Pereira

Título:Como cuidar de Plantas de interior

Autor:Miguel Pereira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:09:31

    Muito bom! É tão gratificante cuidar de plantas. A gente vê o quanto elas florescem quando são bem-cuidadas. Amei as dicas!

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    18-04-2014 às 22:36:55

    Fantástico seu texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios