Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Os contos de Eça de Queirós - resumo

Os contos de Eça de Queirós - resumo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 240
Os contos de Eça de Queirós - resumo

O conto «Singularidades de uma rapariga Loura» começa por uma analepse, ou seja, um recuo na história (passado). Macário com quase sessenta anos relembra uma paixão antiga com um rapaz da estalagem. Macário apaixona-se loucamente por uma jovem do seu edifício, Luísa, e começa a ficar distraído e abstraído no seu trabalho.

Resolvem casar, mas o seu tio, com quem trabalhava, não aceitou e Macário é expulso de casa. Mais tarde. Desesperado, sem emprego, o seu tio aceitou-o de volta e deixou-o casar. Certo Macário fora com Luísa a uma ourivesaria para reservar um anel. Ao saírem o caixeiro dirigiu-se ao casal pedindo educadamente para pagarem o anel que Luísa tinha na mão. Macário pagou-o e levou Luísa para fora, onde lhe disse "És uma ladra". Virou as costas e foi embora. “No mesmo dia partiu para a província, nunca mais se viram”.

O conto «O Moinho» narra a história da D. Maria da Piedade casada com um senhor doente, que passava o tempo sempre de cama com problemas na espinha. Era vista onde morava como uma senhora de comportamento exemplar, até ao dia em que chega o primo Adrião. Apaixonaram-se, e envolveram-se num longo beijo no moinho. Os amantes arrependem-se, e Adrião decide partir, deixando Maria da Piedade novamente desamparada. Porém, esta não se fica e “Passa de santa a Vénus.”

O conto «Civilização» narra a vida de Jacinto, um homem muito inteligente com dotes económicos. Contudo, passa a vida aborrecido até ao dia em que decide ir para Torges. No caminho, os caixotes com todos os seus pertences intelectuais e técnicos perdem-se e a casa continua por ser restaurada. Ao princípio, tem dificuldades em integrar-se, mas depois apaixona-se pela vida campestre. “Quatro anos vão passados, Jacinto ainda habita Torges.” – diz o amigo.

A narrativa do conto «O Tesouro» decorre à volta dos três irmãos de Medranhos: Rui, Guanes e Rostabal, “os fidalgos mais famintos das Astúrias”. A história desenvolve-se à volta de um tesouro com três chaves encontrado pelos três irmãos. Nas costas uns dos outros preparam armadilhas para ver quem morria primeiro. “o tesouro ainda hoje lá está”.


Daniela Vicente

Título: Os contos de Eça de Queirós - resumo

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 240

817 

Comentários - Os contos de Eça de Queirós - resumo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios