Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Escritas pelo Coração

Escritas pelo Coração

Categoria: Literatura
Escritas pelo Coração

Se Há
Se há aqui no recinto da escuridão
Um veneno que pelas entranhas vai se escorrendo
Pelo coração que
Há anos deixou de bater
Devido à ilusão que me invadiu
Sem ao menos permitir uma tal
Perturbação de meus sentimentos,
Que mais nada valia às suas sensações de prazer
E maldade com quem mais lhe dedicou à paixão que
Tanto se há mesmo que não o veja mesmo que tão explicito
Deixo exposto o que sinto e se há o que de mais forte
Corresponda ao meu sentimento estravaza com tamanha força,
Deixando o universo temer ao tamanho imenso do universo.

O Veneno
O veneno que ao meu coração
Se penetra nas decorrências de meus
Sentimentos que nossos corações se enlacem,
Que aos nossos corações
Nos façam ser um só ser de alma,
Como apenas um semblante de anjo
Mesmo que tudo que impossível seja para
Apagar a chama pelo meu coração se alatra venha a ocorrer,
Por decorrência de uma ilusão que
Como a paixão se alastra pela escuridão causando
A si uma dor imensurável que nem mesmo
Após a morte se é impossível esquecer pela eternidade
Da vida do único enigma que nos liga à Deus.

Por Correspondência
Por correspondência mando uma carta
Escrita pela ilusão de tanto amar,
Pela decepção de não ser amado como
Se é esperado que fora trasnferido pela dor
De pela paixão ser enganado,
Mando por meio dessa carta que fora
À única as minhas lágrimas que há cada instante
Que a despejei a intensidade fora cada vez mais aumentando
Que até ao chorar sentia despedaçar o coração,
Que sua alma aos poucos sentir me abandonar preso
Na escuridão sem mais mandar uma se quer correspondência
Escrita somente pelas lágrimas de um dia sentir e
Viver um amor que não mais por ventura será correspondido.

Imensurável
Imensurável é nada mais do que
A intensidade de uma dor
Que não mais soube subestimar a paixão
Que aqui dentro reside em meu coração,
Sem a mínima compaixão do amor
Que explora com pudor a dor irremediada
Pela ilusão que repreendeu
A insana paixão que não deixou temer-se
Mesmo que na escuridão esteja enterrado pela
Dor da ilusão que me deixou
Na solidão que com a compaixão
Soube reconhecer o valor do perdão que
Não mais vale a pena do que deixar a imensurável dor
Estraçalhar o coração e não permitindo a alma de que o recolha
Para que com a divindade possa surgir do além sua esperança.

Pertubado
Pertubada está minha alma
Que dá escuridão não consegue se esquivar
Por tão pegajosa ser esse sentimento
Mau correspondido pelo coração que tão
Ignorante se parece ser por fora mesmo que
Embora seu coração seja explendor pela Glória
Tão iluminada de um anjo que Céu caiu em meus braços
Para que aos cuidados paliativos lhe cuide
Com todo amor do mundo
Como a de todo o infinito do universo
Que ganha luz ao seu olhar gracioso que despeja
Dor ao meu de tanto bater na porta do coração de quem,
O verdadeiro amor não o conheça.

Inflamado
Inflamado está o meu coração
Que sem motivos chora pelo tão
Sangrento disperdício do amor que me corrói,
Da paixão que envenena minha alma
Que chora pela dor
Causada por suas estripulias
Que engana o meu coração que no
Escuridão conhece o silêncio
Entregando-se à solidão que sem
Compaixão perdoa a paixão
De tentar cruscificar a escuridão com
A luz que ilumina e purifica o coração de quem
Atraído seja pela sensação de leveza,
Com dor e contradição,
Aos dos anjos

Contradição
Em contradição entra
O meu coração que ao vendaval
De ilusão entrega a paixão fazendo do
Amor um perdedor
De seu próprio calor que
Com pudor deixa a paixão
Invunerável ao olhar silêncioso
Da escuridão que permeia a atingir
A fúria sentimental que o atinge massacrando
Com tamanha força o que à minha alma consuma
Com tanto prazer que seja a dor de tanto amar e
Ver esse amor de deixar levar pela decepção.


Kaique Barros

Título: Escritas pelo Coração

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Escritas pelo Coração

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios