Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Sons da Alma

Sons da Alma

Categoria: Literatura
Sons da Alma

Guardei
Guardei o coração de um anjo
Onde as minhas maiores relíquias
Eu escondo até de mim que tanto sabe
O que não vê,
Como muito menos compreende
Ao significado do amor que há cada instante cresce
Ainda mais a medida que o relógio faça
Com que dá noite nos aproximemos há cada
Milésimo de segundo que te guardo em minhas lembranças
E quando no seu nome eu esboço citar.

Por Inteiro
Por inteiro entrego nas mãos de
Seu coração de anjo
A minha vida repleta tantas
Passagens para o submundo de ilusões,
De caricatas paixões,
Amores fantasiados pela
Tão submissa felicidade que fora
Castigada pela infelicidade de um dia ter amado
Tanto para que impedisse o meu coração de um dia
Perder a visão e minha alma de os quatro outros sentidos
Perder como se uma pessoa fosse há medida
Que se acelerava em determinados momentos e instantes.

Passagens
Passagens para um mundo
Repleto de dores por tanto amar
Sem que isso o faça calar a voz do coração
Ou fazer de a voz da alma ficar rouca
Como o som do motor de um carro velho
Que mesmo roncando faz com que seu tempo
Ande mais rápido do que ao seu carro que na velocidade
De uma tartaruga o faça viver momentos
Tão delicados e sublimes da vida que não temos
O dom de nos fazer reviver o mesmo dia como o meu
Desejo de novamente lembrar do dia em que nos conhecemos,
O nosso primeiro olhar sagaz de comer
Com os olhos o meu desejo de como você viver
A eternidade e alcançar o horizonte do infinito.

Passado
O meu passado repleto
De histórias que me constrange
Mas que hoje me faz lembrar que sou vencedor,
Que sou guerreiro,
Que sou como o homem de ferro devido
A fé que meu coração reserva já que não mais é
Possível que um dia sonhe em derrubar um herói que,
Dos vícios das drogas me fez escapar
Como um rato que foge a todo custo das garras
De um gato que nada tem a ver com o meu passado
Da qual não tenho nem o prazer de relembrar já que
Seria uma forma de reviver tudo novamente e
De bandeja cair nas mãos da depressão.

Há Medida
Há medida que mais amo
A quem ainda não tive a felicidade de encontrar
Como aqui por dentro parece me corroer por dentro
Por sempre pensar que um resquício de ilusão me jogará
Ao infinito da escuridão,
Recinto da solidão e
Sacramentado pelo silêncio que tortura
Até as sombras de um infinito da qual não faço
Questão de viver sem o delicado perfume de um anjo que
Tanto admiro que seria na mesma medida
Em que arde o fogo que me incendeia.


Kaique Barros

Título: Sons da Alma

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Sons da Alma

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios