Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec

O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 2
O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec

O Livro dos Espíritos foi o marco inicial da Doutrina dos espíritos, espiritismo, ou kardecismo. Esse foi o primeiro de cinco livros escritos por Hippolyte Léon Denizard Rivail, conhecido pelo seu pseudônimo de Allan Kardec, lançado na França em 18 de abril de 1857.

Apesar de ser um livro essencialmente espírita, O Livro dos Espíritos pode ser lido por qualquer um que se interesse em saber para onde vai, de onde veio, e principalmente, o que está fazendo aqui na Terra. Não é um livro que veio para impor dogmas, mas com a missão de desfazê-los.

O Livro dos Espíritos, apesar de ter o nome de Allan Kardec, ele não é seu verdadeiro autor. Esse livro foi ditado pelos espíritos para ele escrever, com a ajuda de diversos médiuns, você tem o direito de não acreditar nisso, mas estou apenas apresentando a obra, não impondo verdades absolutas. Consequentemente, esse deve ser tido como um livro de perguntas e respostas dirigidas aos espíritos. No total, são 1018 perguntas, não contando as subperguntas.




Esse livro trata de assuntos como a imortalidade da alma, a reencarnação, os fenômenos mediúnicos, físicos e psíquicos, de Deus, do futuro da humanidade, sobre a relação que existe entre os encarnados e os desencarnados, e consequentemente, suas influências sobre nós e sobre eles, das missões, das provas e das expiações, por que estamos aqui, para onde vamos, e de onde viemos segundo a doutrina dos espíritos, ou espiritismo kardecista.

O Livro dos Espíritos tem sua parte religiosa, filosófica e científica. Na parte religiosa podemos considerar, por exemplo, a pergunta um do livro, em que Allan Kardec pergunta aos espíritos o que é Deus, ele recebe a seguinte resposta:

"-Deus é a Inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas".

Já na 55, ele pergunta se há vida em outros planetas, e recebe a seguinte resposta.

"-Sim, e o homem da Terra está longe de ser o primeiro em inteligência, em bondade e perfeição. Todavia, há homens que se creem muito fortes, que imaginam que só seu pequeno globo pode habitar seres racionais. Orgulho e vaidade! Julgam que Deus criou o Universo só para eles."

Na centésima pergunta, sobre a hierarquia dos espíritos, ele recebe uma escala de dez graus, que são:

10º: Espíritos impuros;
9º: Espíritos levianos;
8º: Espíritos pseudossábios;
7º: Espíritos neutros;
6º: Espíritos batedores e perturbadores;
5º: Espíritos benevolentes;
4º: Espíritos sábios;
3º: Espíritos de sabedoria;
2º: Espíritos superiores;
1º: Espíritos puros.

Também é dado suas respetivas características.

Já na pergunta 131, ele pergunta se há demônios no sentido que se dá a essa palavra, e recebe a seguinte resposta:

"Se houvesse demônios eles seriam obra de Deus, e Deus seria justo e bom se criasse seres eternamente devotados ao mal e infelizes? Se há demônios, eles habitam em seus mundos inferiores. São esses homens que fazem de um Deus justo, um Deus mau e vingativo, e creem lhe serem agradáveis pelas abominações que cometem em seu nome".

Já sobre a reencarnação ele recebe a seguinte resposta:

"-Deus lhes impõe a reencarnação com o objetivo de fazê-los chegar a perfeição. Para alguns é uma missão, para outros, uma expiação. Todavia, para alcançarem essa perfeição, devem suportar todas as vicissitudes da vida corporal; nisto é que está a expiação. A reencarnação tem também o objetivo de por o espírito a cumprir os desígnios de Deus. Para realizá-la é que, em cada mundo, ele toma um aparelho em harmonia com a matéria essencial desse mundo, cumprindo daí, daquele ponto de vista, as ordens de Deus, de tal sorte que, concorrendo para a obra geral, ele próprio se adianta".

Apesar desse ser como que a "bíblia" dos espíritas, acredito que ela não deva ser tida como literatura restrita a essa religião, mas deva ser lida por toda a humanidade que crê na vida após a morte, pois como eu já disse, O Livro dos Espíritos não veio impor regras, dogmas, mas veio justamente desmistificá-los através da lógica.


Diego César

Título: O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec

Autor: Diego César (todos os textos)

Visitas: 2

631 

Comentários - O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios