Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Telemóveis > Os jovens e os celulares

Os jovens e os celulares

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Telemóveis
Visitas: 199
Comentários: 2
Os jovens e os celulares

Quando os celulares foram criados na década de 90 eles eram utilizados simplesmente para emitir e receber chamadas. Eram caros e, em virtude disso, poucas pessoas tinham acesso, a duração da bateria era bastante curta e os aparelhos eram muito grandes. Hoje eles têm inúmeras outras funções, são bem menores, com longa duração e atraem cada vez mais os jovens que veem neles uma necessidade para se comunicarem e sobreviverem.

O celular para os jovens é uma forma de aceitação social, praticamente todos têm celulares, e o utilizam para se aproximarem uns dos outros através de mensagens, fotografias e ligações. Os adolescentes personalizam seus aparelhos celulares e não conseguem se desligar deles. Utilizam-no como forma de expressar seus sentimentos e desejos. Através desta tecnologia eles têm acesso à internet, a rádio e televisão. Ou seja, um celular conecta o jovem ao mundo. São várias opções tecnológicas dentro de um mesmo aparelho.

O aparelho é quase uma parte do corpo do jovem e traz uma série de modificações na maior parte positivas na vida deste jovem, pois organiza sua rotina, propicia um contato mais intenso com os amigos e dá segurança aos pais de entraram em contato constante com seus filhos e saberem aonde e com quem eles estão. O celular é um meio de marcar encontros, de não se sentir sozinho e quanto mais se recebe e envia mensagens mais se tem certeza de ser aceito e querido por um grupo.

Contudo, o aparelho celular não trouxe somente aspetos positivos à vida dos adolescentes, com ele vieram alguns malefícios. O custo de manutenção para alguns é alto, pois como estão constantemente utilizando o aparelho, não há um filtro que indique que há excesso no uso e, com isso, a conta torna-se por vezes, exorbitante e desnecessária. Ainda e, mais importante que o custo, pode-se verificar a dependência que esta tecnologia desperta entre pais e filhos, já que a oportunidade de estar em constante contato um com o outro pode gerar conflitos.

Os filhos podem ligar constantemente para os pais a fim de resolver questões banais de seu dia a dia, dificultando, com isso, a construção da sua autonomia. E os pais podem ficar demasiado interessados na rotina dos filhos, sufocando-os e desesperando-se quando, por algum motivo, não conseguem entrar em contato com os filhos. Não se pode descartar a ação de desligar o celular que muitas vezes os jovens fazem para não serem constantemente interferidos pelos pais. O adolescente quer sentir-se livre e não tolera quando os pais o perturbam na presença dos outros integrantes de seu grupo. Sente-se constrangido e se revolta. Sob este aspeto é importante fazer combinações com o jovem para não haver excessos ou omissões.

A adolescência é uma fase de altos e baixos e o equilíbrio dos pais é fundamental para um bom relacionamento. O aparelho celular é uma ferramenta que o jovem encontrou para expor seus sentimentos, mas que não pode causar dependência ou ser o único meio que o adolescente encontra de dar e receber carinho.

É importante que o jovem perceba o momento adequado para utilizar o aparelho celular, evitando que ele seja usado durante o período do sono ou da aula e não deixá-lo interferir nos momentos de diálogo e interação com outras pessoas. É fundamental, também, que o adolescente consiga um tempo para ele, sem a constante dependência do aparelho. Um momento de celular desligado em que o jovem possa dedicar-se a outras atividades é sinônimo de saúde. O excesso além de gerar dependência, causa depressão e insegurança.


Rosana Fernandes

Título: Os jovens e os celulares

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 199

773 

Imagem por: jeremyfoo

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    10-11-2014 às 11:10:28

    Muito apego ao celular atualmente entre os jovens é cada vez mais frequente. É fácil encontrarmos um grupo deles que esteja com seus celulares nas mãos e sem muita interação com as outras pessoas.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    03-06-2014 às 23:11:45

    O uso dos celulares, sem dúvida, são pelos jovens. Com tanta tecnologia, recursos de multimídia, redes sociais, eles são os principais usuários. Porém, deve haver um controle, pois muitos deles, já se tornaram escravos.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Os jovens e os celulares

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: jeremyfoo

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios