Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Evangélicas > Nascimento e Infância de João Batista

Nascimento e Infância de João Batista

Categoria: Evangélicas
Nascimento e Infância de João Batista

O sacerdote achou boa a mensagem; por um momento, boa demais para ser verdadeira. Pediu mais um sinal. Não lembrava ele de Abraão e Sara, de Isaque e Rebeca? Sua descrença era ofensa grave, merecedora de punição. Condenou-o então o anjo à mudez. Isto lhe seria por sinal e castigo. Mesmo assim, ao julgamento acompanhava a misericórdia. Foi-lhe prometido que voltaria a falar na ocasião do nascimento do menino (SI 30.5).

1. A alegria da mãe. Completou-se a alegria de Isabel; os parentes e as amigas regozijavam-se com ela. Veio o momento da circuncisão e de dar nome à criança. Sugeriram os vizinhos lhe fosse dado o nome do pai. Surpreenderam-se, no entanto, ao saberem que receberia um nome desconhecido na família do sacerdote. Isto era novidade. Até hoje, dão-se aos filhos de judeus os nomes de parentes mais velhos ou falecidos, a fim de manter viva a memória deles em Israel.

2. O louvor do pai. O sacerdote recuperou a fala, e irrompeu em louvores a Deus. Enquanto derramava o coração diante de Deus, o Espírito Santo apoderou-se da sua língua, transformando a canção em profecia inspirada: Deus não desamparara o seu povo; um Libertador se levantaria da família de Davi, e o filho de Zacarias seria o seu precursor.

3. O crescimento da criança. As promessas cumpriam-se na vida do pequeno João. Os que o conheciam maravilhavam- se, não só com a história do seu nascimento, como pelo rápido desenvolvimento de forças na jovem vida: “E a mão do Senhor [o poder de Deus] estava com ele” (v. 66) - expressão que lembra cenas da vida de Elias e de Eliseu, cujas obras poderosas atribuíam-se à “mão do Senhor” sobre eles.

“O menino crescia, e se robustecia em espírito”. Ao crescimento físico seguia o crescimento espiritual. Sob o sol da graça divina e ao sabor da vivificante brisa do Espírito, amadureciam os poderes espirituais do menino, enquanto seu corpo se fortalecia no clima das montanhas da Judéia.
“E esteve nos desertos até ao dia em que havia de mostrar-se a Israel”. Os pais de João provavelmente morreram antes que ele chegasse à idade adulta. O jovem, deixado sozinho no mundo, optou pela solidão como forma de preparar-se para o ministério. No deserto, meditava sobre as profecias e buscava ao Senhor, aguardando a ordem divina para começar a obra entre o povo.


Almir de Souza Batista

Título: Nascimento e Infância de João Batista

Autor: Almir de Batista (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Nascimento e Infância de João Batista

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios