Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > D. Sebastião e a crise de sucessão

D. Sebastião e a crise de sucessão

Categoria: Biografias
Visitas: 24
D. Sebastião e a crise de sucessão

Após a morte de D. Sebastião na Batalha de Alcácer Quibir a 24 de Agosto de 1578, Portugal ficou com um grave problema de sucessão. O seu sucessor no trono foi o seu tio, o Cardeal D. Henrique, o Casto (1578-1580).

Filho do rei D. Manuel I, o Venturoso, e de D. Maria de Castela, D. Henrique nasceu em Lisboa, a 31 de Janeiro de 1512. Foi priorado comendatário de Santa Cruz de Coimbra, arcebispo de Braga, inquisidor-geral arcebispo de Évora, arcebispo de Lisboa, administrador perpétuo do Mosteiro de Alcobaça, e, por fim, foi regente durante a menoridade de D. Sebastião (1562-1568).

D. Henrique assumiu, de facto, a regência do reino, mas a verdade impunha-se: a probabilidade deste dar descendentes à Coroa Portuguesa, mesmo com dispensa papal, era muito baixa. Contudo, ainda se tentou dar a volta à situação, ponderados alguns casamentos favoráveis, nomeadamente, com D. Isabel de Áustria (acaba por casar com o Imperador Francisco José I).

Em 1580, sofrendo já de grande debilidade física, D. Henrique convocou as Cortes para decidir o próximo na linha de sucessão. Havia três candidatos possíveis: D. Catarina de Bragança, sobrinha de D. Henrique, D. Filipe II de Espanha (futuro Filipe I de Portugal) e D. António, prior do Crato, ambos netos de D. Manuel I. Infelizmente para Portugal, D. Henrique faleceu a 31 de Janeiro de 1580, em Almeirim, não deixando a situação da sucessão resolvida.

Seguiu-se D. António, prior do Crato, que perante a situação de Portugal, foi aclamado rei, a 19 de Junho de 1580, em Santarém. Porém, o seu reinado foi de curta duração, pois D. Filipe II de Espanha invadiu Portugal e derrotou-o na Batalha de Alcântara, a 25 de Agosto de 1580. Viu-se, assim, obrigado a fugir. Durante 15 anos esteve no exílio, acabando por falecer a 26 de Agosto de 1595, em Paris, sendo sepultado no Convento de São Francisco nesta mesma cidade.

D. António nasceu em Lisboa, em 1531, filho de D. Luís e de Violante Gomes. Seguiu a vida religiosa, o que não o proibiu de ter dez filhos. Durante a sua vida, foi obrigado a exilar-se várias vezes.

Estávamos agora perante um interregno de 60 anos.


Daniela Vicente

Título: D. Sebastião e a crise de sucessão

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 24

801 

Comentários - D. Sebastião e a crise de sucessão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como Organizar Qualquer Tipo De Evento

Ler próximo texto...

Tema: Eventos
Como Organizar Qualquer Tipo De Evento\"Rua
Com todas as mudanças no mundo precisamos de pessoas capacitadas e qualificadas para se organizar um evento de porte. Não mais uma pessoa que faz tudo, que quebra-galho, mas um profissional estudioso no ramo para levar um evento de grande estima que atinja seu público de forma satisfatória e abrangente.

Para estar na frente exige-se muito trabalho, esforço e dedicação extrema para que se obtenha grande sucesso não somente para quem recebe como também para a própria instituição em que se realiza o evento. Isso tem causado uma procura por esses profissionais e até tem sido reconhecido como uma profissão que será valorizada muito nesses próximos anos.

Como Organizar?

Para estar na frente de um evento é necessário muita dedicação e amor. Muitas horas planejando e com uma grande antecedência. Pois, qualquer problema que ocorra no dia, será de responsabilidade de quem está organizando.

Então, todos os cuidados devem ser levados em consideração, devemos ter ações prevenidas e tudo deve ser listado, feito e dado uma atenção especial. Diante dos que se pretende fazer em um evento seja ele cultural, religioso, comercial, precisa de alguns parâmetros para serem seguidos cuja finalização tenha muito sucesso.

Eis quais são as etapas para você compreender melhor:
1. Objetivos: você deve primeiramente traçar um objetivo daquilo que se pretende realizar. Deve ser dividido em duas partes: a geral e a específica;

2. Públicos: quem são os públicos que serão atingidos? É um grupo de mulheres, um grupo de homens? Que faixa de idade? Essas e outras perguntas devem ser feitas;

3. Estratégias: essas estratégias consistem simplesmente em como você vai atingir o seu público, o que mais irá atraí-los para que possam ir ao seu evento?

4. Recursos: os recursos tanto materiais, humanos, físicos, todos esses recursos devem ser bem estruturados e anotados;

5. Implantação: Que métodos serão usados para o evento desde o início até o término do evento? Refere-se a todos os procedimentos;

6. Acompanhamento e controle: estipular alguém que irá acompanhar todo o processo e controlar, como por exemplo, as despesas;

7. Avaliação: feita após o término do evento, ela é produzida em formato de relatório e entregue a quem organizou o evento;

8. Orçamento Previsto: este deve ser feito bem detalhado. Uma das mais importantes partes de todo o evento. Pode buscar patrocínio, parcerias com empresas para assim evitar os gastos, mas tudo deve ser anotado e controlado.

Pesquisar mais textos:

Luene Zarco

Título:Como Organizar Qualquer Tipo De Evento

Autor:Luene Zarco(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios