Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Beleza > Dicas para tratar os pés

Dicas para tratar os pés

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Beleza
Comentários: 2
Dicas para tratar os pés

Há muita gente que não dá muita atençao aos pés mas na realidade ele são uma das partes mais importantes do corpo. Devem por isso ser mimados diáriamente porque são eles que sustentam o corpo e nos transportam para todo o lado.

No verão eles devem ser exibidos especialmente e com orgulho.

Quando o tempo quente chega e, com ele os dias mais longos, as idas à esplanada, á praia, e os passeios a pé são rituais que passam a fazer parte do dia-a-dia e dão outra cor á vida. Por outro lado, os jantares com os amigos, as idas à discoteca ou ao cinema, levam a uma maior necessidade de escolhermos o calçado ideal para os nossos pés. Este é essencial e segundo os podologistas são os sapatos que têm que se adaptar aos pés e não o inverso como muita gente pensa erradamente. Há quem compre sapatos para se adaptarem aos pés e depois se tornam nefastos ou mesmo prejudiciais para a saúde do corpo.




De facto o que calçamos pode salvar ou arruinar uma toilette e esta deve adaptar-se a cada situação, contudo, exigem mais da nossa aparência. Claro que aparecer numa reunião de botas está fora de questão mas os sapatos altos podem não ser o ideal.

O pé está programado para andar descalço, em terrenos irrregulares, adaptando-se à sua curvatura. Em regra, o calçado deve ser de pele, arejado e respeitar a morfologia do pé. Os materiais sintéticos não facilitam a respiração que é essencial ao bem-estar e saúde da pele e, um sapato apertado pode criar um ambiente propício ao desenvolvimento de fungos e bactérias.

Um pouco de salto, basta uns centímetros, adapta-se melhor ao solo e é mais indicado sobretudo para quem tem de estar muitas horas de pé.

A altura ideal dos saltos é determinada pelo tamanho do pé, que condiciona o ângulo entre a planta do pé e o calcanhar. Assim, o salto máximo para quem calça 36/37, deve ter 3,5 cm, o número 38/39 suportta 4 cm e o número 40/41 deve ter 4,5 cm. Deste modo os saltos de altura superior limitam a base de sustentação do pé, podendo provocar problemas nos pés, pernas e coluna. Aumenta ainda o risco de entorse, lesões de ligamentos e joanetes. Devem ser usados sé em ocasiões especiais.

Para longas caminhadas os sapatos de desporto são mais indicados e para usar no quotidiano, as novas colecções apostam mais em saltos grossos, cunhas e na meia pata alta, que proporciona mais estabilidade.

Independentemente do tipo de sapato escolhido deve usar-se meias de algodão, seda ou la, no inverno, tendo o cuidado de as mudar todos os dias, ao longo de todo o ano.

A sua hidratação é um cuidado essencial,e os diabéticos devem reforçá-la porque a diabetes favorece o aparecimento de lesões que podem ser muito graves.

Andar, correr e dançar sã actividades que se tornam dolorosas quando aparecem bolhas, feridas ou calosidades. Assim, é importante actuar de imediato para não deixar agravar a situação e não ficar com os movimentos limitados. Os sapatos devem ser usados em dias alternados deixando-os a arejar de um dia para o outro.

Quem transpira muito dos pés deve evitar usar o mesmo calçado e ter cuidados acrescidos.
As dicas para um tratamento correcto dos pés são:

-aplicar um bálsamo hidratante e relaxante todos os dias, em especial nos dias quentes- ele hidrata e alivia os pés cansados e sobreaquecidos;

-colocar um creme para calosidades, que hidrata intensamente e actua sobre os calos e calosidades;

-Aplicar sempre um creme ultra-hidratante, que hidrata intensamente a pele muito seca desde a primeira aplicação- em especia os diabéticos;

-aplicar um spray anti transpirante que controla a transpiração excessiva, deixando os pés secos e sem odores desagradáveis;

- aplicar ampolas de cutículas para evitar infecções, estas protegem as unhas das infecções e dos cortes.

A fórmula por exemplo da Neutrogena oferece a gama completa e é recomendada por dermatologistas. Pode ser adquirida numa farmácia ou parafarmácia.

Quem faz muitas caminhadas ou anda muito a pé deve ter sempre um creme relaxante especial para aliviar e repousar os pés.

Se porventura aparecerem bolhas nos pés, logo ao primeiro sinal, deve-se limpar cuidadosamente o local, desinfectar e proteger com um penso próprio para bolhas. No mercado existem pensos para todas as zonas do pé e proporcionam alívio rápido.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Dicas para tratar os pés

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 0

763 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    29-06-2014 às 05:12:28

    Estava precisando dessas dicas de como tratar os pés. Obrigada!

    ¬ Responder
  • Gislene

    15-02-2014 às 18:56:27

    meu transpira muito chega ate molhar a meia, sinto o dia todo os pes molhados. qual creme pode me ajudar?

    ¬ Responder

Comentários - Dicas para tratar os pés

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios