Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > Internet - Navegue sem se afundar!

Internet - Navegue sem se afundar!

Categoria: Internet
Visitas: 12
Comentários: 7
Internet - Navegue sem se afundar!

A Internet constitui, indubitavelmente, um sinal inequívoco da crescente globalização. É um sítio onde se pode pôr tudo em comum, com as inúmeras vantagens e inconvenientes que este factor comporta. Eliminou completamente a distância geo-social, permitindo um contacto permanente e ininterrupto entre todos os pontos do planeta. Contudo, a inocência e o encantamento de algumas pessoas relativamente à Internet é susceptível de lhes aportar, mais cedo ou mais tarde, dissabores graves, por causa da confiança exagerada que depositam nos seus interlocutores cibernautas e nos conteúdos, que tomam como verdades absolutas e irrefutáveis.

Deste espaço são, muitas vezes, lançados autênticos “mísseis”, sob a capa de inofensivas sugestões, dicas ou propostas. Os mais incautos esbarram, amiúde, na esperteza de quem, maliciosamente, os alicia por qualquer motivo. As crianças são, a priori, das “presas” mais fáceis de iludir, pelo que a navegação por parte destas deve ser supervisionada pelos pais ou educadores. É um erro ficar-se muito descansado (a) porque o filho está em casa e não anda na rua a fazer asneiras; dentro do seu quarto, à porta fechada e com toda a liberdade do mundo, literalmente, ele pode muito bem estar a prejudicar-se a níveis e dimensões imensamente superiores…!

Por outro lado, há que prestar especial atenção a tudo e todos os que requeiram dados pessoais, ou os possam vir a sacar de alguma maneira. Há muita gente endividada “até ao pescoço” à conta disso, para além de se ver a braços com processos judiciais, visto que passou a ter vários “clones” a usurpar a sua identidade para falcatruas várias.

Não obstante, a utilização da Internet devolver-nos-á o que quisermos, se mantivermos um espírito vigilante e analítico, possibilitando também acções de grande valor e monta, no que concerne à ajuda recíproca, em termos de identificação e apoio na doença, transferência de meios, partilha de cultura, construção de amizades, etcétera. Paralelamente, faculta a compra e venda de uma vasta panóplia de artigos, que vão desde a alimentação até a obras de arte. Embora favoreçam o conforto e poupem tempo, as encomendas online, à semelhança do Messenger, acabam por arredar os indivíduos da convivência directa com os outros, o que incrementa substancialmente o sentimento de solidão e abandono. O enclausuramento em si próprio é perigoso, sobretudo quando existem tendências depressivas e auto-destrutivas ou se está em pleno processo de crescimento e formação da personalidade!

A Internet ocupa o quarto paradigma do intercâmbio geográfico: 1- Deslocação terrestre; 2- Barco; 3- Avião; 4- Internet, e representa talvez o mais arriscado. Talvez por isso, pode aplicar-se à Internet a imagem que Mário Castrim, falecido escritor e crítico televisivo, atribuía à “caixinha mágica”: é como um frigorífico que se abre para se tirar o que se quer no tempo que for necessário para isso.



Maria Bijóias

Título: Internet - Navegue sem se afundar!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 12

655 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 7 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    18-10-2014 às 21:50:27

    Realmente, os extremos nunca são bons para a vida das pessoas. É preciso manter o equilíbrio diante do que pode nos viciar. A internet é um campo muito vasto, aberto e se não tivermos o cuidado, a gente fica escrava dela.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    16-04-2014 às 18:11:23

    Creio que o equilíbrio é fundamental, os cuidados devem ser tomados diariamente. Belo texto, obrigada por sua contribuição!

    A equipa da Rua Direita

    ¬ Responder
  • Pedro Ramilo

    18-09-2012 às 14:05:13

    Ainda há poucos dias, o sr. Augusto da mercearia dizia:
    - Mas que raio de Mundo se tornou este, nunca se viu tanta desgraça, roubos , mortes, cataclismos. Antigamente lá acontecia um de vez em quando, agora é todos os dias, valha-nos Deus.
    Efetivamente o que o Sr. Augusto quis dizer foi:
    - Com esta "coisa" da internet, a informação é de tal maneira tão rapidamente processada e transmitida, que conseguimos saber praticamente tudo o que se passa em tempo real.
    Ou seja, o que aumentou não foram " as coisas", mas sim o modo como a informação se propaga hoje em dia.
    E esta é uma realidade a que todos nos temos que habituar, cada vez mais...

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    14-09-2012 às 15:33:05

    Com a modernidade, as tecnologias da internet estão a todo vapor e com grandes inovações. Hoje é possível tantas coisas que no passado eram impossíveis de ocorrer. Ela nos auxilia, beneficia em muitas de nossas atividades cotidianas. Mas devemos tomar cuidado, pois todo excesso gera desconforto e sensações desagradáveis. Ela pode ser prejudicial em sua vida, como tem sido em adolescentes e crianças. Navegue sim, mas consciente e com equilíbrio. Muito bom o seu texto!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoarte

    28-02-2011 às 18:27:57

    pois tens rasao a internete e cadaves mais perigosa

    ¬ Responder
  • mestry badahra

    30-03-2010 às 00:05:07

    Quero aplaudir de pé, a edição ,da nobre colega, que editou um comentario " INTERNET" onde retrata,com total verdade, o espelho desta mega opção, a disposição do povo .
    Principalmente, os que estão iniciando, as navegações, neste imenso , e interminavel oceano,que tem uma porta escancarada, para todos,os que dispõe, de uma maquina .
    Os portadores de patologias psiquicas, por portarem doenças mentais, direcionadas , as tendencias do mal, se aproveitam, da amplidão, e abertura deste fenomeno, para, praticarem, todas as condições de prejudicar o proximo.
    Este artigo, onde a colega faz uma opinião feliz, serve para alertar, e tambem nortear, os navegadores incautos,que ainda não dispõe, dos instrumentos de segurança (o conhecimento)...
    vou copiar, e peço licença, para sintetizar, e repassar a todos os que fazem parte da minha lista de chegados virtuais,pois é apenas , muito importante este "alerta" .
    mestry badahra
    [email protected]

    ¬ Responder
  • Marco TeixeiraMarco Teixeira

    26-06-2009 às 12:53:21

    A Internet é sem duvida algo cada vez mais útil! Bom Artigo

    ¬ Responder

Comentários - Internet - Navegue sem se afundar!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios