Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > O políptico de S. Vicente - métodos laboratoriais

O políptico de S. Vicente - métodos laboratoriais

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 12
O políptico de S. Vicente - métodos laboratoriais

Os painéis de S.Vicente é uma obra constituída por seis painéis, da autoria de Nuno Gonçalves, pintor do rei D. Afonso V, trata-se de um retrato colectivo e um dos mais notáveis da pintura europeia e ao que se julga criada no século XV. É uma obra que tem sido muito estudado por diversos historiadores e que tem suscitado muita polémica quer a nível da sua técnica quer da iconografia representada no painel.

Na obra é possível reconhecer diferentes personagens, nomeadamente, nobres e cavaleiros, frades, clérigos e pescadores, sendo possível a sua distinção através dos seus trajes e acessórios. Estão representadas 60 personagens nos painéis. Esta é uma das obras que tem vindo a suscitar ao longo dos anos mais curiosidade, principalmente no que diz respeito à composição material.

Através do estudo das técnicas laboratoriais aplicadas à pintura de Nuno Gonçalves – Os painéis de S. Vicente é possível conhecer a técnica do autor e obter conhecimentos relativos aos materiais utilizados pelo pintor bem como verificar possíveis alterações na obra. A limpeza e restauro dos painéis subsidiados pelo Conde da Penha Longa, permitiu conhecer libertos de repinturas dos séculos XVII e XVIII a obra.

O políptico de S. Vicente foi restaurado em 1938 e 1955, através deste trabalho realizado foi possível obter hoje uma obra mais rica e completa no que diz respeito à camada cromática. Os métodos laboratoriais utilizados para o estudo da obra complementam a mesma, tentando dar a conhecer algo que se encontra além do visível a olho nu. Com estas técnicas foi possível perceber um pouco mais da técnica do autor e do seu trabalho aquando da feitura da obra. Os estudos feitos sobre a mesma levam a conclusões diferentes por parte dos diferentes autores e historiadores. Contudo o trabalho realizado nos restauros é científico e através dele é possível reconhecer os trabalhos que têm sido desenvolvidos na obra. O trabalho desenvolvido com os métodos laboratoriais permitem criar suportes para o desenvolvimento das várias interpretações da obra.

A par dos problemas iconográficos que se encontram por resolver, a obra contínua a levantar questões relacionadas com o estudo científico dos painéis.


Sónia Henriques

Título: O políptico de S. Vicente - métodos laboratoriais

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 12

643 

Comentários - O políptico de S. Vicente - métodos laboratoriais

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios