Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Eventos > O Dia de S. Valentim

O Dia de S. Valentim

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Eventos
Comentários: 1
O Dia de S. Valentim

O amor merece ser celebrado todos os dias. No entanto, convencionou-se existir um dia para celebrar a união entre os casais. Existem diversas datas para esta comemoração, que variam entre o 14 de fevereiro ou o 12 de junho. É um dia especial para milhões de casais por todo o mundo, independentemente de raça, sexo, credo ou estatuto.

As histórias de amor inspiram o nosso dia a dia. Quem nunca ouviu a história de Cleópatra, rainha do Egito que se apaixonou por Júlio César, Imperador Romano, ou ainda a história do amor impossível vivido entre Romeu e Julieta? Foi a força do amor que levou estes casais, entre muitos outros, a cometerem atos impulsionados pelo sentimento pela cara-metade.

Existem diversas figuras associadas a esta data. São Valentim é o santo padroeiro dos namorados. De acordo com a lenda, Caldeus II, imperador romano, impôs a proibição de casamentos de modo a que os jovens não tivessem qualquer impedimento aquando da ida para a guerra. No entanto, existia um bispo romano que continuava a realizar casamentos em segredo. Depois de São Valentim ter sido descoberto e preso, jovens casais enviavam-lhe bilhetes para a prisão a afirmar que continuavam a acreditar no amor.

Outra figura emblemática associada a este dia é Cupido, deus romano do amor. Este jovem deus tinha por hábito esconder-se na floresta e atirar setas ao coração das pessoas que passavam, fazendo com que elas se apaixonassem.

De acordo com a lenda, Vénus, a mãe de Cupido, invejava a beleza de Psique, uma rapariga mais bela do que ela. Assim, pediu a Cupido para atirar uma seta a Psique para que esta se apaixonasse pelo homem mais feio que existisse. Cupido acedeu ao pedido da mãe, mas ao atirar a seta, errou o alvo e acertou em si próprio, passando a ficar ele apaixonado pela rapariga. Uma vez que um deus não se podia unir a uma mortal, Cupido foi falar com Zeus para tornar Psique imortal, não havendo assim impedimentos para a união dos dois.

Existem muitas histórias associadas a este dia, mas a história mais bela é a que cada casal faz para si, são as recordações que vêm à memória. O primeiro beijo, a primeira noite, aquele fim de semana…

Compara-se o amor a uma flor, se não for tratada e regada constantemente, acaba por morrer.
O amor é um pouco assim, tem de ser constantemente tratado e renovado. Por isso, o Dia de S. Valentim é um ótimo pretexto para esta renovação. No entanto, há outros trezentos e sessenta e quatro dias ao longo do ano em que uma pequena surpresa, um sorriso ou uma carícia podem preencher mais a pessoa amada do que qualquer prenda…


Luís Seco Passadouro

Título: O Dia de S. Valentim

Autor: Luís Seco Passadouro (todos os textos)

Visitas: 0

661 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Joana SaavedraJoana Saavedra

    06-02-2010 às 07:11:53

    Olá Fofinhos!
    A minha figura mitológica não é o Cupido mas sim Eros...da Grécia antiga.
    Nest dia dos namorados vou apostar na Rua Direita, principalmente nesta loja que customo frequentar a craftedfavors.com

    ¬ Responder

Comentários - O Dia de S. Valentim

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cuidado com as curvas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Motas
Cuidado com as curvas\"Rua
Quando se fala em motas, delineia-se na nossa mente a figura de um indivíduo, “maluquinho” por estes veículos de duas rodas, vestido com colete preto de couro e envergando umas possantes botas da mesma cor, e, quiçá, umas caveiras ou outros distintivos aqui ou ali, nele ou na moto. Normalmente, os motociclistas, motoqueiros ou motards, como são conhecidos, regem-se por um espírito muito próprio, que ninguém sabe definir muito bem, mas que, sem dúvida, engloba a sensação de liberdade e, por vezes, umas bebedeiras a valer numa qualquer concentração de motas. A parte boa é que, não acontecendo nada de pernicioso à mota e ao seu condutor quando se desafia a sorte desta maneira, uma vez despojado das roupas e acessórios motards, colocando o fato e a gravata, este volta a ser uma pessoa “normal”, imbuído de sentido de responsabilidade e bom senso. Estas características, tão úteis no trabalho e em sociedade, são, amiúde, esquecidas quando se está ao “volante” de uma moto. Cede-se, frequentemente, à tentação de andar muito depressa, de ultrapassar em terceira fila, de passar à frente nas portagens, de desrespeitar o próximo perpetrando atrocidades inacreditáveis e fazendo tudo o que dá na veneta, com a segurança de se estar protegido pelo anonimato do capacete e da pouca ou nenhuma visibilidade da matrícula.

Por outro lado, também existe aquilo a que se chama de solidariedade motard, que apela aos mais puros sentimentos de entreajuda em caso de queda ou outra situação de aflição. Claro que, em determinadas circunstâncias, mais valia que estivessem quietos, em vez de retirar apressadamente o capacete a um colega estendido no chão (é a última coisa a fazer), e noutras ainda bem que se tem assistência em viagem, porque, dada a falta de visão periférica dos companheiros de estrada, bem se podia”esticar o pernil” que não apareceria vivalma para dar uma ajuda.

Definições e conceitos à parte, o motociclismo constitui uma paixão fervorosa de um grande números de indivíduos, com um incremento significativo do género feminino. Faz-se uso da mota por razões não profissionais, por diversão, por se ser praticante desta modalidade, para locomoção, ou, simplesmente, porque se gosta de motos. Seja qual for a razão, os agradecimentos têm de ser dados a Gottlieb Daimler (1834-1890), que inventou o primeiro protótipo. E, já agora, não custa render gratidão também a John Boyd Dunlop, veterinário escocês, que concebeu uma espécie de roda, que corresponde ao nascimento do pneu. Pode, portanto, afirmar-se com toda a legitimidade que um veterinário deu à luz um pneu…!

Pesquisar mais textos:

Maria Bijóias

Título:Cuidado com as curvas

Autor:Maria Bijóias(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • letícia Cristina Calixto de Souza 20-06-2013 às 17:19:32

    eu achei muito interessante esse texto por que ele me ajudou a fazer um trabalho escolar mas eu quero falar para a autora desse texto que ela está de parabéns e que esse texto possa incentivar cada pessoa que ler ele então meus parabéns

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios