Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Leonardo da Vinci – Privacidade Obscura

Leonardo da Vinci – Privacidade Obscura

Categoria: Literatura
Visitas: 6
Leonardo da Vinci – Privacidade Obscura

Leonardo da Vinci sempre manteve o seu lado privado muito recatado. Pouco se sabe, muito se especula. O segredo e o mistério confundem-se quando tentamos passar a cortina obscura do lado reconhecido mundialmente para o lado pessoal, íntimo, privado.

É sabido o seu repúdio pelas relações físicas, carnais, sexuais. Da Vinci proclamou o ato de procriação e qualquer coisa que tenha qualquer relação com ele como algo tão nojento ou repugnante que os seres humanos em breve morreriam se não houvesse rostos bonitos e disposições sensuais.

Freud tentou interpretar esta atitude face ao lado mais básico da condição humana como frigidez. Seria Leonardo frígido? Honestamente, não parece crível. Um homem tão talentoso e tão universal, sensível ao seu redor, não ‘encaixa’ no perfil frígido. Ele seria emotivo, expansivo, só que dentro do seu próprio universo. Não nos esqueçamos do seu lado artístico e apreciador da beleza enquanto potenciador de emoções.

O alegado amor de Leonardo por rapazes foi um tema de discussão, gerando polêmicas, mesmo no século XVI. Em "Il Libro dei Sogni" (O Livro dos Sonhos), um diálogo fictício sobre l'amore masculino (homem do amor), escrito pelo crítico de arte contemporânea e teórico Gian Paolo Lomazzo, Leonardo aparece como um dos protagonistas e declara: "… o amor masculino é exclusivamente o produto da virtude ". No entanto, o que pouco se conhece, muito se critica. A timidez, a riqueza de génio e uma inteligência superior terão sido alvo de várias invejas, umas mais influentes do que outras. As mais influentes trataram de traçar um retrato pouco abonatório do Grande Leonardo. Mesmo assim, considerando Leonardo homossexual, essa tendência contraria a própria interpretação freudiana.

O único documento histórico sobre a vida sexual de Leonardo é uma acusação de sodomia feita em 1476, enquanto operário na oficina de Verrocchio.

Os registos do tribunal florentino mostram que, em 9 de abril de 1476, uma denúncia anônima foi deixada numa caixa de correio, no Palazzo della Signoria (Câmara Municipal), acusando um jovem ourives e prostituto, Jacopo Saltarelli (por vezes referido como modelo de um artista) de ser "parte de muitos assuntos miseráveis e consentimentos para agradar as pessoas que solicitam tal maldade dele." A denúncia acusou quatro pessoas de sodomizar Saltarelli: Leonardo da Vinci, um alfaiate chamado Baccino, Bartolomeo di Pasquino, e Leonardo Tornabuoni, membro da família aristocrática Tornabuoni. A acusação sobre Leonardo não passou disso mesmo. A sodomia era teoricamente uma ofensa extremamente grave, levando à pena de morte, mas o episódio tornou-se difícil de provar. As denúncias falsas eram bastante comuns naquela época, especialmente por meio do anonimato perpetradas por inimigos, e tal pode ter sido o caso aqui. A sodomia também era uma ofensa para a qual o castigo foi muito raramente aplicado na Florença contemporânea de Leonardo, onde a homossexualidade era suficientemente difundida e tolerada.

Os relacionamentos de Leonardo com jovens, ainda que denominados seus amigos seguem o padrão de aprendizagens erotizadas que eram frequentes na Florença da época. Mestres e aprendizes desenvolviam relações muitas vezes amorosas e de cariz sexual. Leonardo teve muitos outros amigos que são figuras agora reconhecidos nas suas áreas de conhecimento ou pela sua influência na História. Estes incluíram Cesare Borgia e Niccol Maquiavel.

No entanto, a relação mais longa que terá provocado grandes interrogações e suspeições acerca da sexualidade de Leonardo envolve Gian Giacomo Caprotti da Oreno, apelidado Salai ou il Salaino, descrito por Vasari como "um jovem gracioso e belo, com cabelos bastante encaracolados, e que agradava muito a Leonardo". Il Salaino entrou em casa de Leonardo em 1490 com a idade de 10. Leonardo ‘adotou-o’ arrancando-o do seio de uma família criminosa.

O relacionamento entre os dois não terá sido fácil. Um ano depois, Leonardo fez uma lista dos defeitos de Salai, chamando-o de ‘ladrão, mentiroso, teimoso, e glutão’. Este ‘pequeno diabo’ terá abusado de valores e de dinheiro pelo menos em cinco ocasiões, gastando uma fortuna em roupas e acessórios, entre os quais se contariam vinte e quatro pares de sapatos.

Note-se que il Salaino manteve-se seu companheiro, servo, e assistente durante trinta anos. Os cadernos de Leonardo contêm mesmo imagens de um jovem bonito, adolescente de cabelos encaracolados. Ele terá inspirado Da Vinci em obras como aquela mais reconhecida em todo o mundo: a Mona Lisa.

Salai é um anti-herói, considerando Da Vinci como o herói. Um e outro representam opostos, mas dependentes da existência do outro.

O amor pela natureza, o apelo da música, a pintura, a capacidade inventora e o amor pelos animais (daí o ter sido vegetariano, o que era fato notável para a época) fazem de Leonardo da Vinci um gênio único, avançado no seu tempo, exposto pela sua inteligência e arrojo, cujo lado misterioso, preservado e por isso mais sombrio, se tornará eternamente um alvo da curiosidade dos comuns mortais.


Rua Direita

Título: Leonardo da Vinci – Privacidade Obscura

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 6

603 

Comentários - Leonardo da Vinci – Privacidade Obscura

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios