Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Relacionamentos > Medo De Te Perder Para Deus

Medo De Te Perder Para Deus

Categoria: Relacionamentos
Medo De Te Perder Para Deus

Durante dois longos anos vi-te piorar de dia para dia, sem nada poder fazer, vi o teu desespero acompanhei-te a muitos médicos, a muitas especialidades, mas ninguém sabia, ninguém me dizia porque as tuas pernas estavam cada vez mais fracas, até aquele dia em que soube que tinhas uma doença neurológica grave associada a um maldito cancro. O meu mundo desabou nesse segundo, só tínhamos uma mínima hipótese, uma cirurgia de risco, um risco tão grande que podia nunca mais te ter, podias ficar vegetal apenas com apoio de máquinas.

Ao mesmo tempo a doença podia evoluir e ficarias ainda pior. És a mulher da minha vida, e o que menos quero é perder-te. Foi a decisão mais difícil da tua vida, mas estive do teu lado cada segundo como sempre estive.

O dia da cirurgia chegou, foi um misto de sensações, medo, pânico, esperança, força, tudo ao mesmo tempo. Duas horas a mais que o previsto e eu sempre de pedra e cal a porta do bloco operatório daquele hospital, começou a demorar, comecei a pensar o pior, chorei, sofri até que uma enfermeira sai do bloco e me diz que correu tudo bem, confesso que não acreditei, tinha de ver com os meus olhos estava tudo preparado para dares entrada nos cuidados intensivos, podias nem resistir.

Todos diziam que não irias conseguir respirar após a cirurgia que te levou o estômago e de um momento para o outro parece que Deus ou outro qualquer ser divino pousou sobre ti.
Avo, és a minha garra, a minha força e um dos grandes motivos que todos os dias me faz sorrir, ainda estas muito drogada com a medicação, não vês muito nítido nem dizes muitas coisas, por vezes nem são muito acertadas mas o mais importante é que estás viva, sem máquinas, falas-te comigo e tudo esta a correr pelo melhor, pois não aguentaria perder-te.

Vou continuar lado a lado contigo todos os dias até ao fim, e depois disto eu acredito em milagres, na nossa força, e acredito que juntas vamos vencer isto e tudo o que vier por ai. Amo-te sempre avó!


Marta Teixeira

Título: Medo De Te Perder Para Deus

Autor: Marta Teixeira (todos os textos)

Visitas: 0

557 

Comentários - Medo De Te Perder Para Deus

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios