Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Informática > Anonymous, soldados do povo

Anonymous, soldados do povo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Informática
Anonymous, soldados do povo

Quando falamos em “Hackers”, algumas pessoas imaginam uma espécie de criminosos da Web que roubam informações de pessoas inocentes e espalham vírus nos seus computadores. Felizmente nem sempre isso acontece e nem sempre está contra nós, até porque normalmente há um interesse em cometer o crime, a maioria dos computadores pessoais são desinteressantes de penetrar devido á quantidade de tempo que pode ser preciso despender.

O conhecimento deve ser usado para o bem, ainda que isso possa contrariar alguma vontades, algo deve ser feito em prol do bem estar das pessoas que compõem a sociedade, para que a justiça possa ser cumprida e para que parem os abusos de poder responsáveis pelo mau estar dos cidadãos do mundo.

No ano 2003 surgiu um coletivo anónimo de pessoas que usavam a internet como via para manifestar o seu descontentamento com alguns comportamentos da sociedade principalmente dos seus governantes.




A entidade Anonymous pode ser usada por qualquer um que se queira juntar ao coletivo de forma a colaborar com as várias manifestações de descontentamento em relação ao governo ou outros assuntos do interesse social.

Em 2008, após um série de ataques a várias páginas Web do governo e outras entidades, os Anonymous tornaram-se muito mais conhecidos e por consequência obtiveram um muito maior numero de protestantes e colaboradores nas suas ações.

Anonymous tornou-se um meme da internet e tem vindo ao longo dos anos a adquirir cada vez mais fama, tornaram-se uma espécie de guerrilheiros contra a corrupção e a mentiras dos governantes, a voz de um povo descontente com tanta injustiça e crimes. O grupo difunde comunicados a todos os cidadãos do mundo, explicando as suas motivações e os interesses que defendem. Ninguém sabe ao certo quantas pessoas podem estar envolvidas, mas é um facto que algumas ações só são possíveis pelo envolvimento de milhares de pessoas a operar em simultâneo com o mesmo objetivo.

Os Anonymous não querem ser temidos, querem a confiança das pessoas porque só assim irão continuar a crescer, no entanto querem ser ouvidos e levados a sério e fazem questão de o mostrar no ambiente em que melhor se sentem e também o mais global, a internet.


Ruben Gonçalves

Título: Anonymous, soldados do povo

Autor: Ruben Gonçalves (todos os textos)

Visitas: 0

634 

Comentários - Anonymous, soldados do povo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios