Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Gay é OK - It gets better

Gay é OK - It gets better

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 1
Gay é OK - It gets better

Realidade é que, por diversos séculos a homossexualidade sempre foi algo a ser escondido (tirando na Grécia antiga em que esta era aceite), quer tenha sido por razões religiosas ou sociais, esta sempre foi considerado pelo homem moderno como um mal da sociedade, uma doença ou influência demoníaca.

A partir dos anos 80 é que se começou a ver, na nossa sociedade a homossexualidade como algo integrante da natureza humana, talvez devido à libertação das mentalidades que se deu nos anos 60 e 70, com os movimentos antiguerra, os movimentos hippy, com o inerente consumo desenfreado de drogas associados e experiências no âmbito da sexualidade humana, constatou-se um perder de inibições que trouxe à tona emoções e sentimentos sexuais que até então eram voluntariamente reprimidos, ou por outro lado, poderá ter sido tudo uma grande desculpa para soltar a franga e fazerem aquilo que sempre quiseram e que nunca tiveram coragem.




O estigma social tornou-se ainda maior dos anos 80 quando o números de casos de HIV dispararam no seio das comunidades gay, criando assim uma barreira social ainda mais acentuada em relação aos ditos heterossexuais conservadores da altura. Com a intervenção de várias figuras/ personagens históricas que vieram a ajudar a desmitificar que “a Sida é a doença dos homossexuais” e que chegaram mesmo a lutar em praça pública, pelos dos direitos das comunidades LGBT, um pouco por todo o mundo, olhos e perceções foram lentamente abertos, para uma realidade bem diferente.

A publicidade, juntamente com a indústria cinematográfica, nos finais de 80, inícios de 90, foram grandes impulsionadoras desta mudança de opiniões, retratando a forma masculina e feminina com grande cariz sexual, usando muitas vezes modelos do mesmo sexo em imagens com cariz erótico, como podemos verificar nos primeiros grandes outdoors da Calvin Klein, as publicidades de Gaultier, Armani e Versace.




Nos anos 90, começou-se a ver cada vez mais personagens gays em filmes e séries televisivas, ser-se Gay passou a ser Ok. Podemos até mesmo afirmar que um longo caminho foi percorrido, apesar das constantes batalhas para uma maior aceitação e igualdades de direitos (casamento e direito à adoção) em muitos países.

No final do dia, o que conta é a capacidade que temos de contribuir para a sociedade, o facto de alguém ser-se ou não gay, torna-se cada vez mais irrelevante, além do mais, a capacidade de aceitação da sociedade não é o mais importante, mas sim a capacidade que cada um tem ou não, de assumir o que é, e de se sentir bem na sua pele.


Bruno Jorge

Título: Gay é OK - It gets better

Autor: Bruno Jorge (todos os textos)

Visitas: 0

632 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • andressa

    09-06-2012 às 19:19:52

    voce gosta de guei

    ¬ Responder

Comentários - Gay é OK - It gets better

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios