Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Ecoturismo da Quinta da Ombria

Ecoturismo da Quinta da Ombria

Categoria: Viagens
Comentários: 1
Ecoturismo da Quinta da Ombria

O turismo de saúde é um conceito novo no âmbito de uma actividade que representa muito em termos de imagem e de dividendos para países como Portugal. No concelho de Loulé, a Quinta da Ombria consolida um projecto turístico-imobiliário que reflecte uma visão sustentável e de integração com as populações locais, denotando ainda preocupações ambientais. Financiada por capital finlandês, contribui, todavia, para o desenvolvimento económico das freguesias de Tôr e de Querença, onde está implantada.
Trata-se de uma harmonização inédita entre saúde, golfe e economia no valor de 200 milhões de euros aplicados em 180 hectares, por onde se distribuirá um máximo de 1785 camas.

Percursos pedestres, bird-watching, produtos regionais, contacto com a Natureza e hortas ecológicas serão apenas algumas ofertas, que não colidem com o desfrute de um hotel de cinco estrelas com Spa, club house, restaurantes e golfe de dificuldade média.
Ilpo Kokkila, presidente do conselho de administração da holding detentora da propriedade, faz questão de contratar trabalhadores da área, de apoiar o lançamento de pequenas empresas e de animar as pessoas directa e indirectamente ligadas à Quinta da Ombria a optar pelos serviços locais. De tal modo que, para adquirirem o que quer que seja, os clientes e/ou futuros moradores terão de se deslocar às freguesias adjacentes, uma vez que o complexo não disporá de comércio.

Paralelamente, a evidente mais-valia da beleza natural da propriedade (integrada na Rede Natura 2000), com azinheiras, oliveiras, medronheiros, sobreiros e alfarrobeiras, para além da proximidade da praia, é coadjuvada pelo projecto de golfe (uma boa aposta de combate à sazonalidade), com a ribeira das Mercês e os lagos artificiais como obstáculos favoritos.

Prevê-se que apenas cinco por cento do espaço da Quinta da Ombria se destine a construção, sendo 60 hectares consagrados à protecção de espécies autóctones e havendo ainda uma fracção de terreno reservada às hortas ecológicas para fruição dos donos das moradias. De facto, a gestão ambiental encima as prioridades do fautor, que promoveu já estudos nos âmbitos hidráulico e hidrológico e nos contextos de flora, vegetação e habitats, nomeadamente no que concerne à população de morcegos. Em acréscimo, será dada preferência à deslocação em veículos eléctricos. Lograr uma certificação especial é, a par da redução dos impactos da construção, um objectivo do empreendedor.

O plano inclui ainda o aproveitamento de pontes, levadas e açudes, importantes do ponto de vista do ecoturismo. Desenvolvendo esta vertente, cria-se uma maior consciência ambiental e incrementa-se o consumo de produtos especiais, muito procurados por Nórdicos e Ingleses, mas também, de forma crescente, por Portugueses.

A degustação de licores regionais, a cozinha tradicional do Monte da Eira e uma volta pela Serra do Caldeirão constituem algumas ideias de complementar a exploração do barrocal algarvio.


Maria Bijóias

Título: Ecoturismo da Quinta da Ombria

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Imagem por: Falcon505

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    14-06-2014 às 06:24:01

    Vale muito a penas desfrutar do ecoturismo na Quinta da Ombria. Excelente!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Ecoturismo da Quinta da Ombria

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Falcon505

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios