Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Cidade Templária, venha conhecer...

Cidade Templária, venha conhecer...

Categoria: Viagens
Visitas: 2
Comentários: 1
Cidade Templária, venha conhecer...

Está a pensar em ir passear num fim-de-semana e ainda não se decidiu para onde.

Tomar é uma cidade do distrito de Santarém, conhecida como a terra templária. Esta é dividida pelo Rio Nabão, ficando de um lado a cidade velha e do outro lado a mais recente.
Na zona velha, encontra pensões e estalagem que poderá ficar a hospedar, restaurantes com pratos típicos desta zona e respetivos doces conventuais (fatias de thomar, beija-me depressa, etc) e restaurantes italianos, encontra também os cafezitos com uma esplanada bastante agradável, com aquela vista deslumbrantes das casas antigas com os seus candeeiros centenários, uma praça onde se encontra a estátua de Galdin Pais (fundador de Tomar), e a Igreja de S. João Baptista bastante alta do século quinze. Em paralelo com a praça, do seu lado direito podemos encontrar uma ilhota chamada jardim do mouchão, muito bem-parecido, com banquinhos, arbustos, patos, uma entrada e uma saída, ficando a saída se preferir este lado, já na zona nova da cidade, no paralelo da praça do seu lado esquerdo pode encontrar a estação de comboios, a rodoviária e espaços noturnos para uma noite longa.

Atrás da praça, está o castelo bem destacado pela iluminação a noite que proporciona uma vista linda, poderá visitar de dia o Convento de Cristo que contém claustros, túmulos e a famosa janela do capítulo. Ao fim-de-semana costuma haver teatro realizado pelos fatias-de-cá, dentro do convento. A mata dos sete montes era em outros tempos o jardim do castelo com seus vastos hectares, com parque de merendas, trajetórias para não se perder, a charola que servia para poderem rezar naquele lugar encantado. Á entrada da mata, está localizado numa esquina o posto de turismo para o caso de alguma dúvida.

A zona nova de Tomar, ou seja, depois do rio está basicamente os prédios recentes. Em outros tempos, era o cemitério de Thomar, junto a Igreja Santa Maria dos Olivais.

Hoje em dia podemos encontrar os hipermercados, na zona da alameda algumas lojas de roupa e restaurantes. As escolas e o antigo colégio, o skate parque, apartamentos novos, a biblioteca, o politécnico etc.

Os museus a visitar, aconselho o museu de Arte contemporânea na zona velha da cidade, o museu dos fósforos com uma vasta coleção de fósforos desde a sua existência, do maior ao mais pequeno e o museu Luso-Hebraico. No entanto, sem descorar das igrejas e a visita ao seu interior. Reza a historia, que existia por baixo de casa igreja uma passagem secreta até ao castelo, provavelmente onde está guardado o tesouro dos templários e respetivo Santo Graal.


Sandra Mendes

Título: Cidade Templária, venha conhecer...

Autor: Sandra Mendes (todos os textos)

Visitas: 2

602 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-06-2014 às 16:00:19

    Hum, adorei saber dessa cidade Templária e já quero conhecer! Ainda mais sabendo do castelo que ali há, assim me deu mais vontade!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Cidade Templária, venha conhecer...

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios