Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > TV HIFI > Quero ser uma televisão!

Quero ser uma televisão!

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: TV HIFI
Visitas: 4
Comentários: 1
Quero ser uma televisão!

Este pode ser o clamor de quem se sente preterido ou delegado para segundo ou terceiro plano pela caixinha que veio revolucionar o mundo inteiro. A partir da sua entrada no quotidiano de quase toda a gente, o universo mudou e jamais voltará a ser o que era. Mais do que um veículo de informação, a televisão constitui um bilhete para viagens inimagináveis através do transporte, em segurança, a mundos desconhecidos, a realidades imperscrutáveis, a culturas distantes, a saberes impensáveis, a doces ilusões.

Muitas vezes, sobretudo em produções fictícias, confunde-se o que é fábula com a própria verdade da existência. Este facto pode comportar riscos mais ou menos graves, sobretudo para os protagonistas de papéis menos simpáticos, que além de serem vaiados em praça pública, são, amiúde, vítimas da materialização da agressividade latente daqueles que habitualmente acompanham o desenrolar da sua personagem naquele momento e anseiam proteger os “bons da fita”. Isto será sinónimo de um belíssimo desempenho, mas convém manter a integridade física para continuar o trabalho…

Independentemente de se gostar mais disto e menos daquilo, o certo é que, regra geral, se coloca a emissão televisiva à frente de muitas coisas… e pessoas. Deste modo, perdeu-se um pouco a noção da importância do diálogo e o silêncio é quebrado por um televisor em cada divisão da casa. Bom, parece que, por enquanto, a casa de banho tem sido poupada… Não obstante, há quem gostasse de ocupar o lugar da televisão, isto é, ter um espaço de destaque, reunir a família em seu redor, ser levado a sério quando fala, ver-se no centro das atenções, ser ouvido sem interrupções, receber cuidado semelhante ao do aparelho quando não funciona, ter a capacidade de divertir a todos, enfim, simplesmente experimentar o que vive qualquer televisão!

Um garoto teria ainda mais alguns itens a acrescentar a este rol de desejos: ter a companhia do pai quando chega a casa, mesmo que cansado, a alegria originada na procura que a mãe faz da sua companhia quando se sente só e aborrecida, em vez de o ignorar, e a satisfação de observar os irmãos a disputá-lo, a competir para estar com ele, como fazem com a TV.
Certamente que uma criança gostaria e necessitaria de sentir que a família, de vez em quando, deixa tudo de lado para passar alguns momentos com ela! Como, aliás, qualquer indivíduo minimamente sensível. Neste contexto, talvez não fosse de todo descabida a definição que um petiz deu de telescópio à professora: «É um tubo que nos permite ver televisão de bem longe.»

Maria Bijóias

Título: Quero ser uma televisão!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

788 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    04-06-2014 às 06:44:06

    Boa reflexão! Quero ser uma televisão é o que muita gente gostaria de ser...heheh
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Quero ser uma televisão!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios