Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Será que devo fazer um exame ginecológico?

Será que devo fazer um exame ginecológico?

Categoria: Saúde
Comentários: 1
Será que devo fazer um exame ginecológico?

É do conhecimento comum, ou pelo menos entre as mulheres, que a ida ao ginecologista tem de ser regular. Se fazemos análises clínicas e consultas rotineiras pelo menos uma vez por ano, um exame ginecológico também deve fazer parte das visitas anuais.

Umas quantas constipações ou entorses, levam-nos algumas vezes a uma urgência num centro de saúde ou a um hospital, mas até aí, nada de novo se conta. O que muitas vezes não se faz é consultar o ginecologista fora da marcação da nossa agenda.

Enquanto mulheres, somos verdadeiras heroínas. O nosso papel na sociedade é hiper-activo, enquanto profissionais, mulheres, mães, esposas, enfim, uma quantidade de coisas. Mas o facto de termos de ser mulheres na sociedade, faz-nos muitas vezes nos esquecermos de coisas realmente importantes, como a nossa saúde. Não poder faltar ao emprego, ter de ir buscar os filhos à escola, são apenas algumas das muitas coisas que nos impede de ir a um ginecologista por breves e leves suspeitas de que alguma coisa não está bem.

Mas em que situações devo dirigir-me ao meu ginecologista?

Bem, a pergunta pode ter uma resposta que pode não ir ao encontro de muitas mulheres, que banalizam sinais e evidencias que com o passar do tempo se podem tornar preocupantes.

Acontece com alguma frequência, o chamado corrimento vaginal. Umas vezes com uma cor mais escura, mesmo que a fase da menstruação esteja longe e a pílula esteja a meio da caixinha. Este corrimento pode ser provocado por várias coisas, como alguma toma de um medicamento que está a cortar o efeito da pílula, o stress, ou uma alimentação desregulada.

No entanto, muitas mulheres não ligam a este factor e deixam passar sem dar grande importância. Acontece que a acompanhar este corrimento, poderá surgir cheiros e tonalidades mais fortes, o que pode indicar que existia uma pequena infecção inicial e que passou a uma situação mais complicada.

Dores durante a relação sexual que antes não existiam, também pode ser um sintoma estranho, embora também possa ser passageiro.

Mais importante do que isto (ou não, naturalmente), poderá ser uma apalpação ao peito e a detecção de um pequeno nódulo. Nesta situação, a visita pode ter de ser feita com mais urgência ainda.

O seu corpo pode não ser completamente certo e regulado, mas uma coisa é certa, todas conhecemos os nossos próprios sinais. Apesar de muitas vezes não termos dor, nada como ir a um ginecologista se acharmos que algo de estranho se passa no nosso corpo. Muitas situações de vida ou de morte podem ser evitadas com visitas regulares e excessos de controlo, por isso, decida-se por exames ginecológicos com mais frequência.


Carla Horta

Título: Será que devo fazer um exame ginecológico?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

638 

Imagem por: The Heart Truth

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • priscila

    22-10-2013 às 03:44:46

    Ola, sou virgem aos 23 anos e nunca fui ao demartologista, mais sinto umas dorea perto da barriga, e ate na vagina, acho estranho, tenho medo de ser algjm tipo de doenca que pode se agravar no fulturo, o que acha que pode ser? Devo assi, mesmo proucurar u, demartologista?

    ¬ Responder

Comentários - Será que devo fazer um exame ginecológico?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: The Heart Truth

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios