Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Primeiros socorros: questão de utilidade pública

Primeiros socorros: questão de utilidade pública

Categoria: Saúde
Visitas: 4
Primeiros socorros: questão de utilidade pública

Estar atento as nossas ações nos garante tranquilidade e segurança em nosso dia-a-dia. Contudo não são raros os casos de acidentes que acontecem muito rapidamente e em que, dependendo da situação um socorro imediato ajuda a evitar danos posteriores maiores. Ou pelo contrário, uma ajuda imprópria pode agravar o quadro, prejudicando a vítima. Diante disso, é sempre bom saber como proceder e quando se pode interferir, dando os chamados primeiros socorros da maneira mais adequada.

Os casos de emergência são muitos e variados. Podem ser desde afogamentos, asfixias, a acidentes de trânsito ou acidentes de cozinha, como cortes ou queimaduras. Em caso de afogamento a primeira dica é perceber se a pessoa está consciente dentro da água. Em caso afirmativo o melhor é jogar-lhe algum instrumento no qual ela possa agarrar-se a fim de, em caso de pânico, não por em perigo a vida do socorrista.  Porém se a pessoa estiver desacordada, deve-se pegá-la e trazê-la à margem. A cabeça da vítima deve estar sempre fora da água. Ainda com a vítima dentro da água o indicado é já realizar a respiração conhecida como boca-a-boca e continuá-la ao chegar à margem, seguido de massagem cardíaca, se a pessoa não apresentar pulsação e estiver com as pupilas dilatadas. Ao deitar a pessoa na margem, deve-se colocá-la deitada de costas, deixando a cabeça mais baixa em relação ao corpo. Estimula-se a circulação sanguínea, friccionando os braços e as pernas da vítima. Deve-se levá-la para um atendimento médico de socorro imediatamente.

Nos casos de asfixia, se a vítima conseguir respirar com facilidade, o corpo mesmo expelirá o alimento. Deve-se aguardar a pessoa tossir e a pressão do ar expulsará o objeto da asfixia. Em caso negativo, deve-se auxiliar a pessoa a expelir o objeto dando tapas nas costas entre as omoplatas. A vítima deverá estar com as costas inclinadas. Se for uma criança, as pancadas devem ser mais rápidas. Entretanto se a vítima não está conseguindo respirar, isto é, se estiver ficando desesperada e roxa, o indicado é observar o objeto. Se for pontiagudo, deve-se levar a pessoa imediatamente à atendimento médico. Se não for um objeto pontiagudo, o indicado é colocar o dedo na garganta da vítima, provocando vômito e fazendo com que ela elimine o objeto.

Nos casos de queimaduras por qualquer elemento, incêndio, químico ou qualquer outra fonte, deve-se observar a intensidade da queimadura para fornecer os primeiros socorros, que são fundamentais para evitar que a pessoa entre em choque. Se a queimadura for leve, o aconselhável é lavá-la em água corrente. Se a queimadura for grande, cerca de dez por cento do corpo, deve-se tapá-la com um pano limpo e úmido, evitando estourar as bolhas levantadas pela queimadura e levar a pessoa queimada ao hospital. Em queimaduras nos olhos, o recomendado é lavar com soro fisiológico, tapá-los com gaze úmida e levar a vítima rapidamente ao atendimento médico.

Em caso de corte ou arranhão o indicado é lavar em água abundante com sabão a fim de limpar a ferida, em caso de corte superficial. Após lavar o corte, deve-se secá-lo com uma toalha ou compressa, evitando a fricção que pode estimular que o sangramento retorne. Em seguida, aplique um anti-séptico e fique atento se não haverá infecção. Caso isso ocorra, deve-se levar a vítima a atendimento médico.

Saber lidar com essas situações inesperadas em que se precisa tomar uma atitude é muito importante. É fundamental ter conhecimento de primeiros socorros, mesmo que nunca se venha a por em prática tais conhecimentos. É muito válido ter esse conhecimento e passá-lo adiante, pois as situações de adversidade são imprevisíveis.


Rosana Fernandes

Título: Primeiros socorros: questão de utilidade pública

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 4

650 

Imagem por: Chrysaora

Comentários - Primeiros socorros: questão de utilidade pública

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cães e Humanos: Amizade por interesses

Ler próximo texto...

Tema: Animais Estimação
Cães e Humanos: Amizade por interesses\"Rua
Não é de hoje que os cães são considerados nossos melhores amigos, porém como toda amizade ela não é totalmente incondicional e livre de interesses, pense bem, você pode discordar a princípio, mas analise a fundo e verá que tenho razão.

Cães convivem conosco a mais de 10mil anos, foi lá atrás na pré história que essa amizade começou, uma das mais duradouras da história. Teorias dizem que essa conexão iniciou pois ambas as espécies precisavam de algo que não possuíam e juntos se completaram.

Em plena era do gelo onde a sobrevivência estava sendo testada a todo vapor, aquele lobo considerado mais corajoso se encontrou com um homem também corajoso e resolveram unir forças, talvez não conscientemente, mas deu certo para ambos, e ali iniciava uma amizade que duraria por milênios.

Nesse estágio da nossa história, corríamos perigo de sobrevivência; faltava comida, segurança e energia ! ... E então percebemos que esses lobos simpáticos poderiam nos dar uma vantagem na corrida contra a morte, afinal eles caçavam muito bem , coisa que tínhamos dificuldade em fazer pela falta de energia naquele momento; então pensamos, eles nos ajudam a caçar, nós dividimos o alimento e em troca eles ganham segurança e afeto, e foi assim que essa amizade nos ajudou a enfrentar todos os percalços do caminho, e hoje evoluímos tanto que não precisamos mais de seus serviços e ainda sim continuam sendo nossos melhores amigos, posso dizer então que realmente é uma amizade verdadeira, que surgiu da dificuldade e interesses mas que não se deixou abalar por nada.

Então, agora quando virmos alguém maltratar esses animais, desdenhar deles dizendo que "não prestam pra nada", "não fazem nada de útil", como a galinha que põe ovos, ou a vaca que dá leite, lembremo-nos o quão útil eles foram na nossa caminhada, não só no quesito físico mas também no emocional, numa época em que as aparências não importavam e nem o QI para se fazer um amigo, bastava ser corajoso o bastante pra ultrapassar barreiras e conhecer mais o outro, do jeito que ele viesse, garanto que vantagens incríveis nascerão dessa amizade, e não pense em vantagens como algo ruim, quando digo penso em a vantagem da gente se sentir o humano mais importante do mundo quando esses seres peludos nos olham nos olhos sem pedir mais nada em troca, damos e recebemos carinho como nunca, uma retribuição silenciosa a quem sempre esteve do nosso lado, no pior e melhor momento.

O maior interesse em uma amizade é que ela dure para sempre, e acho que com os Cães conseguimos isso.

Pesquisar mais textos:

Lara Lavic

Título:Cães e Humanos: Amizade por interesses

Autor:Lara Lavic(todos os textos)

Imagem por: Chrysaora

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios