Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Infecções hospitalares

Infecções hospitalares

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Comentários: 3
Infecções hospitalares

Há alguns séculos, os hospitais constituíam lugares de proliferação de infecções por excelência. Insalubres, de recursos escassos, a assistência dispensada era mais humanitária do que científica.

A infecção hospitalar é um problema sério, de gravidade mensurável e de difícil erradicação, ocasionada por microorganismos patogénicos que se desenvolvem no interior das instalações hospitalares e que, deste modo, já “nascem” com maior resistência aos fármacos, nomeadamente aos antibióticos.

Entende-se por infecção hospitalar qualquer tipo de infecção adquirida depois da admissão do utente num hospital ou já após a alta, se essa doença tiver relação directa com o internamento ou determinado(s) procedimentos(s) a que tenha sido sujeito. Os procedimentos invasivos (como as cirurgias) são “portas de entrada” a eventuais microorganismos oportunistas, susceptíveis de provocar infecções.

Chamam-se acções invasivas a todas aquelas que penetram as barreiras de protecção do corpo humano. A pele é, sem dúvida, a primeira e mais importante defesa contra os germes. A gordura e o suor que ela contém impedem, em condições normais, a entrada dos micróbios no organismo. Todavia, se houver fissuras ou alterações na pele, as bactérias que nela vivem podem entrar e produzir infecção.

Afortunadamente, esta é uma questão passível de ser minimizada, sendo, para tal, necessária a cooperação de todos, desde as equipas de profissionais, aos técnicos mais manifestamente ligados aos pacientes, às próprias visitas dos doentes. O simples acto de lavar as mãos com sabão ou uma solução alcoólica adequada, de que muitos hospitais já dispõem à entrada das enfermarias, é imprescindível para evitar algumas infecções no meio hospitalar.

Pesquisas realizadas indicam que as infecções mais usuais em enfermos internados dizem respeito a feridas cirúrgicas, aparelhos urinário e respiratório e circulação sanguínea. Normalmente, segundo a Organização Mundial de saúde, a maior incidência destas infecções ocorre em unidades e tratamentos intensivos, sendo que os pacientes mais vulneráveis (quer pela idade avançada, patologia subjacente ou quimioterapia), em que a resistência é menor, são o alvo preferencial dos agentes infecciosos.

Existem medidas de prevenção standard e outras que decorrem do bom senso que os conhecimentos profissionais sugerem. Seguir os protocolos de lavagem das mãos, realizar uma selecção cuidada e minuciosa dos equipamentos de protecção pessoal a utilizar (luvas, aventais, máscaras, protectores de olhos, etcétera), com o intuito de evitar o contacto com sangue, fluidos corporais ou excreções dos doentes, implementar práticas de trabalho redutoras do risco de exposição a microorganismos patogénicos (limpar os equipamentos e superfícies do ambiente, …), usar precauções apropriadas para prevenir ferimentos originados por agulhas, bisturis e outros utensílios afiados, são algumas estratégias eficientes para acautelar infecções hospitalares. Na realidade, embora não todas, muitas destas infecções são evitáveis. Há princípios de assepsia das salas de cirurgia, material descartável e métodos industriais de esterilização, que têm como objectivo controlar, precisamente, as infecções.

Não obstante, e dado que a saúde é um bem de todos, é bom que cada um seja exigente consigo mesmo e com os outros, qualquer que seja a sua posição face ao cenário hospitalar (técnico de saúde, funcionário administrativo, doente, visita ou mero cidadão anónimo), contribuindo, deste modo, para uma saúde melhor, com menos riscos para todos.



Maria Bijóias

Título: Infecções hospitalares

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

789 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    25-07-2014 às 04:34:36

    Noossa, tenho muito medo de ser infectada no hospital. É muito chato e ao invés de melhorar, só piora! Ainda bem que nunca peguei infecções hospitalares.

    ¬ Responder
  • Valeria

    17-07-2012 às 13:26:02

    Ola! Vou fazer um projeto de pesquisa sobre infecção pos cirurgico relacionado c falha na esterilização de material cirurgico. Estou a procura de artigos e material. Vc tem algo a me enviar.? Obrigada


    ¬ Responder
  • Ezir Lima dos SantosEzir Lima dos Santos

    27-05-2010 às 19:04:06

    Gostei do seu trabalho, pois era isso que estava procurando porque estava com dúvida em relação as infecções hospitalar onde faço um trabalho(TCC) relacionado acidente de trabalho em centro cirúrgico em risco biologico...

    ¬ Responder

Comentários - Infecções hospitalares

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios