Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Foi em 1998 que se revolucionou a questão de vacinar ou não as crianças em idade pequena. Decorria este ano quendo um médico Inglês (Andrew Wakefield) afirmou numa das mais importantes revistas de medicina do mundo – Lancet – que as vacinas causavam autismo. Esta afirmação causou um impacto mundial e desde então, são cada vez mais os pais que optam por não vacinar os seus filhos. Desde essa altura, forma estudados vários casos e mais de 20 estudos concretos e exaustivos não comprovam esta associação de vacinação com o autismo.
Forma analisadas crianças com autismo e sem o distúrbio e não existe qualquer histórico nem relação entre os 2 casos.

Mas afinal, nesta história de vacinar ou não vacinar, o que é mais correto e sensato? Bem, cada pai decide, mas o mais importante é receber o máximo de informação possível na hora de optar por uma decisão que pode colocar em causa o bem-estar e mesmo a vida de um filho.
Uma das principais razões de vacinar o seu filho são algumas doenças contagiosas que podem e devem ser evitadas. Hepatite, tosse convulsa e a papeira são apenas algumas delas. Consideramos nos dias de hoje que algumas doenças não são graves, mas não o são exatamente por causa das vacinas. Doenças como a difteria, a tuberculose e o sarampo podem matar. Tenha isto em conta, pois são doenças contagiosas.

A vacinação é também considerada uma forma de civismo. O seu filho pode ser contagiado, mas também pode contagiar. Numa sociedade com tão rápidos acessos, são também mais acessíveis os contágios de doenças graves.

Naturalmente que a ideia de vacinar um recém-nascido não é agradável. Pensamos imediatamente nos químicos injetados em seres tão pequeninos e delicados, mas há que ter em atenção que ao nascerem, os bebés estão imunes a uma quantidade de doenças, devido aos anti-corpos que recebem na placenta da mãe. No entanto, ficam totalmente expostos a todo o tipo de doenças logo assim que nascem. Protegê-los é o nosso papel enquanto pais.

No entanto, e se mesmo assim quiser não vacinar os seus filhos, saiba que para os matricular na escola terá de apresentar o boletim de vacinas e a escola, seja pública ou privada pode recusar-se à matricula ou inscrição pela falta de vacinação da criança. Organismo como a Segurança Social podem intervir em alguns casos.

Vacinar é proteger, e apesar de nos magoar imaginar fármacos no organismo das nossas crianças, há que ter em conta que são aspetos necessários ao desenvolvimento saudável das nossas crianças.


Carla Horta

Título: A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

761 

Comentários - A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios