Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O tempo não espera por nós

O tempo não espera por nós

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 4
O tempo não espera por nós

Agora olhamos para trás e reparamos com tamanha intensidade que ainda ontem nascemos, vimos que à meia hora entramos para a escola e que à dez minutos acabamos de fazer um exame a nível nacional, estando agora acabados de entrar na faculdade.

Amanhã já é outro dia, muito curto sim, realmente é, todos sabemos. Estaremos formados, ou não, e seremos justos, honestos, felizes e saudaveis, ou talvez não seremos. O que é certo é que o tempo vai passando e não para por muito que queiramos!

À cinco minutos estavamos a sonhar e agora somos obrigados a seguir uma rotina sem fim, porque já crescemos e somos considerados adultos, com o poder de decisão que raramente nos leva a lado algum.

Daqui a meia hora estaremos a caminhar para a morte, porque já somos idosos e os nossos familiares mais próximos como não querem gastar dinheiro em Lares da Treceira Idade, deixaram-nos sozinhos a morrer na solidão e muitas vezes mal tratados por aqueles a quem um dia lhes de-mos tudo, para nunca lhes faltar nada para serem felizes!

A realidade mais dura de aceitar vai estar ali, mesmo em frente aos nossos olhos. Mas agora estamos aqui, eu sou agora uma adulta e as mudanças inconstantes não me deixam acompanhar o tempo que corre a sete pés, que foge sem nunca olhar para trás.

Um dia estaremos mortos e para onde vamos é um mistério, como sempre foi e sempre será, uma vez que ninguém volta para nos dizer como foi.

E se nos entregarmos a tudo isto com todo o sentimento e apenas fizessemos o bem para variar? É umas das perguntas que não sai da cabeça de muita gente. Então convem-nos rever as nossas ações antes de as realizar para não acontecerem imprevistos.

"Dentro de todos nós existe um demónio interior, só temos de o encontrar", e depois só temos de o explusar da nossa triste existência que, para nós nunca faz sentido!

A Filosofia tenta explicar coisas que são inesplicaveis, tudo tem várias respostas possiveis e tudo tem uma pergunta por replicar...
Só dá para seguir em frente, nunca dará para voltar a trás a não ser em pensamento...

O tempo não perdoa e por muito que queiramos não recua!


-sukih L.a.

Título: O tempo não espera por nós

Autor: -sukih L.a. (todos os textos)

Visitas: 0

641 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    31-07-2014 às 02:17:06

    Muito boa essa reflexão sobre o tempo de vida que temos e que muitas vezes não aproveitamos. A gente acaba descobrindo que sempre poderia ter vivido mais histórias interessantes e que aquilo que está à frente nos causa um temor por não querer sofrer, mas acabamos sofrendo da mesma forma. O melhor de tudo é se redescobrir e fazer valer cada minuto.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTerruca

    29-10-2012 às 21:52:15

    Absolutamente fantástico , muito obrigado

    ¬ Responder
  • -sukih L.a.-sukih L.a.

    30-10-2012 às 22:32:14

    Oh! Obrigada eu. Não considerei nada de muito grandeoso, só mesmo uma raflexãozinha sobre a vida.

    ¬ Responder
  • -sukih L.a.-sukih L.a.

    31-10-2012 às 20:31:55

    reflexãozinha*

    ¬ Responder

Comentários - O tempo não espera por nós

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios