Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O Sobreiro e a Cortiça

O Sobreiro e a Cortiça

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 30
O Sobreiro e a Cortiça

É do conhecimento geral que a cortiça é um produto proveniente do sobreiro. Mais concretamente, é uma camada exterior à casca da árvore.

Fiquei recentemente aparvalhada com a informação de que há quem pense que se anda a abater sobreiros para lhe extrair a cortiça.

Venho aqui esclarecer, para quem ainda não sabe, que não se faz tal atrocidade.

A extração da cortiça é feita em árvores vivas e sãs. Quando as árvores estão doentes, a cortiça não sai facilmente, não se solta. Muitas vezes sai em pedaços pequenos (chamados tacos) e algumas vezes sai com a casca da árvore. Esta cortiça tem muito menos valor.

Em árvores mortas, a cortiça sai sempre com casca.

Um sobreiro demora cerca de 40 a 60 anos, quando não mais, para se poder “amansar”, isto é, tirar a cortiça virgem (a primeira cortiça), que não tem grande valor.

Depois só se pode voltar a tirar cortiça passados, no mínimo, 9 anos. É proibido por lei retirar cortiça com menos de 9 anos.

Há quem prefira fazer tiradas de 10 em 10 anos, obtendo assim uma cortiça um pouco mais grossa.
Já se está a ver que, não se pode abater as árvores para as explorar. Isso era matar o negócio pois ninguém iria plantar sobreiros para, com sorte, só ter rendimento de 49 em 49 anos. E a madeira do sobreiro não é também de grande valor.

A época da cortiça (altura em que se a tira) é de maio a agosto, mas as condições atmosféricas é que mandão. Em anos de seca, as árvores “fecham” e não é fácil tirar, havendo mesmos sobreiros que não largam a cortiça. Se se forçar. Esta vem com a casca agarrada, diminuindo a sua qualidade e ferindo a árvore.

Também é preciso ter em conta a tipologia do terreno. Em terrenos soalheiros (voltados ao sol). A cortiça começa a “dar” e a “fechar” mais cedo. Em lugares sombrios, as árvores tem mais “vício” pelo que “dão” mais tarde.

A forma de tirar cortiça tem a sua arte e, apesar de haver muitos tiradores, poucos são os que realmente percebem da arte. É necessário ter uma mão muito certa para que os cortes saiam perfeitos. Têm de “sentir” a cortiça por baixo do machado para não darem golpes fundos e ferirem a árvore nem pouco profundo, não cortando a cortiça.

Para se ser um bom tirado é necessário gostar do que faz, da sua arte. Não é fácil andar todos os dias, cerca de 8 a 9 horas diárias, muitas vezes sem fins de semana, com um machado que pesa cerca de 6 quilos na mão.

Um bom tirador não fere a árvore, tira a cortiça em canudos e quando não é possível em pranchas. Quanto maiores forem melhor. Cada canudo ou prancha pode atingir os 15 quilos facilmente. Havendo maiores.

Por fim, faz-se uma pilha com a cortiça. Empilhar também tem a sua técnica. Uma boa pilha favorece a cortiça. Uma má tilha tira-lhe qualidade.

A mesma cortiça empilhada de duas formas diferentes pode ter valores muito diferentes. Pode ser a diferença entre o lucro e o prejuízo.

A pilha é a apresentação, a montra, o cartão-de-visita do vendedor.

Felizmente o sobreiro em Portugal é uma árvore protegida.

O Sobreiro é um Símbolo Nacional.


Isabel Trigo

Título: O Sobreiro e a Cortiça

Autor: Isabel Trigo (todos os textos)

Visitas: 30

791 

Comentários - O Sobreiro e a Cortiça

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como cuidar de Plantas de interior

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Bricolage Jardim
Como cuidar de Plantas de interior\"Rua
Cada planta tem um comportamento diferente, vou colocar aqui alguns cuidados que servem para a maioria delas.

LUZ:

Os principais erros no cultivo de plantas de interior é a falta de luz.
Se elas estiverem em locais onde não há luz suficiente, isso pode ser corrigido com a instalação de luz artificial, existe no mercado lâmpada que imitam a luz natural.


TEMPERATURA:

Mudanças bruscas de temperatura retardam e até paralisa o crescimento da planta, bem como causa a queda de folhas.


UMIDADE:

A maioria das plantas necessita de uma umidade atmosférica adequada.
Normalmente notamos que a planta não está com a umidade correta quando acontece ficarem amarelas e a queda de folhas.


IRRIGAÇÃO:

Conselhos básicos:
Uma planta em fase de crescimento vai precisar de mais água que uma que está em fase de dormência, ou já atingiu o seu tamanho adulto.
Durante a floração a planta precisa de mais água que em sua fase de crescimento
Em ambientes internos mais quentes é evidente que a planta vai precisar de mais águas que em ambientes mais frios.
Para saber qual é o momento exato de molhar, enfie o dedo no substrato, se sentir ele seco, chegou a hora

FERTILIZANTE:

Para que a planta tenha um desenvolvimento harmonioso convém usar periodicamente de fertilizantes que podem ser líquido ou sólidos.
No mercado existe a venda fertilizante com fórmulas específicas para cada planta.
Após a utilização do fertilizante regue a planta.

LIMPEZA:

Faça regularmente a limpeza de folhas secas e caule, pois elas são bastante positivas não só esteticamente como para a saúde das plantas.
Se estiver acumulada muita poeira sobre as folhas, espane, e depois passe um pano húmido
Atenção: Existe algumas espécies, que tem as folhas aveludadas, tipo a Violeta Africana, Begônia Rex, etc. que não deve ser colocada água é só usar uma escovinha bem macia.

TROCA DE VASO:

De uma maneira geral após 1 ou 2 anos as plantas de interior devem ser colocadas em vasos de tamanho maior.
Isso deve ser feito porque as raízes passam a ocupar um grande espaço e também porque o substrato vai perdendo sua composição inicial.
A época mais adequada varia de planta para planta, algumas devem ser feitas na primavera e outras quando estão na fase de repouso.
Aproveite para obterem mudas, separando brotos e dividindo touceiras.

Pesquisar mais textos:

Miguel Pereira

Título:Como cuidar de Plantas de interior

Autor:Miguel Pereira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:09:31

    Muito bom! É tão gratificante cuidar de plantas. A gente vê o quanto elas florescem quando são bem-cuidadas. Amei as dicas!

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    18-04-2014 às 22:36:55

    Fantástico seu texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios