Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O que fazer quando a distância ameaça a relação

O que fazer quando a distância ameaça a relação

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
O que fazer quando a distância ameaça a relação

São vários os motivos que podem obrigar as pessoas a viver uma relação à distância, e de entre esses motivos destacam-se as questões profissionais.

Nestes casos, a distância pode ser um grande problema ou um problema não tão grande dependendo da situação afectiva e emocional em que o casal se encontra nesse momento.

A distância muitas vez funciona como uma desculpa para terminar uma relação que já não andava bem e que não tinha futuro. Neste tipo de situações a distância apenas precipita algo que provavelmente iria acontecer mais dia, menos dia.

O importante nestas situações é que o casal fale e decida em conjunto o que fazer perante a situação. O tempo é mais importante que a distância, e se a distância for longa mas o tempo for curto então a questão pode ser facilmente ultrapassável, no entanto se o tempo de separação for longo a situação já é mais complicada.

Apesar disso, se o casal for realmente unido e estiverem os dois dispostos a fazer esse sacrifício é perfeitamente possível manter a relação forte mesmo que a separação seja algo longa. O importante é manter o interesse e “manter-se perto” apesar de estar longe. Hoje em dia, e com todas as tecnologias de comunicação que estão à disposição das pessoas, esta tarefa está imensamente facilitada quando comparada com a realidade de há apenas alguns anos atrás.

As pessoas podem facilmente comunicar por telefone, e-mail, mensagens instantâneas (Messenger) e até por vídeo, e por isso se houver vontade e interesse, o casal pode manter a relação viva e manterem-se “próximos”. Obviamente, a partir física da relação é interrompida, mas se o tempo de separação não for excessivamente longo, também é possível superar essa situação.

Por outro lado, se uma das partes ou ambos começarem a perder o interesse, se os contactos passarem a ser cada vez menos frequentes e mais curtos, então a probabilidade das coisas darem para o torto aumenta, porque as memórias começam a desvanecer (“a chama enfraquece”), e ao mesmo tempo surgirá a necessidade de procurar novos relacionamentos.

No caso de a relação estar numa fase inicial, a distância até pode contribuir para o fortalecimento dessa relação, uma vez que o casal não tem aquele contacto diário que muitas vezes gera situações de desacordo e discussões.

O mais importante mesmo é que o casal tome uma decisão em relação à sua situação e que ambos se comprometam com a decisão tomada. Se isso acontecer tudo correrá pelo melhor, independentemente da distância.


Carlos Vieira

Título: O que fazer quando a distância ameaça a relação

Autor: Carlos Vieira (todos os textos)

Visitas: 0

784 

Imagem por: doug88888

Comentários - O que fazer quando a distância ameaça a relação

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: doug88888

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios