Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O namorado do meu filho – Como reagir?

O namorado do meu filho – Como reagir?

Categoria: Outros
O namorado do meu filho – Como reagir?

Criamos os nossos filhos à nossa imagem e muitos de nós cria a expectativa de vê-los concretizar os sonhos que nós nunca conseguimos concretizar. Não nos apercebemos que os nossos filhos têm os seus próprios sonhos e objectivos.

Os filhos não são como nós e partindo do princípio que as gerações são diferentes, os sonhos são diferentes, as amizades são diferentes e principalmente, as relações com os namorados são muito diferentes.

A expressão bem conhecida do “na minha altura é que era” é intemporal. Afinal, os nossos pais diziam-nos exactamente o mesmo.

As relações amorosas dos nossos filhos são diferentes das nossas e principalmente, com pessoas diferentes daquelas que escolhemos há uns anos atrás.

É do conhecimento geral que a homossexualidade existe desde sempre e muito se consta que muitos dos homens mais conhecidos do mundo eram gays. Podemos encarar a homossexualidade dos outros como uma coisa perfeitamente normal nas nossas vidas e relacionamo-nos com todas as pessoas de forma correcta e naturalmente sem qualquer tipo de preconceitos. A única importância é a essência de cada um e a sua orientação sexual é o que menos nos importa.

Somos já muitos a pensar desta forma, e a aceitação está cada vez mais instalada. No entanto e apesar de toda a permissividade perante as escolhas dos outros, quando a homossexualidade nos bate à porta, a coisa pode mudar de figura.

Muitos são os pais que se deparam com a sensação de impotência e de desorientação perante o cenário de ver um filho relacionar-se com alguém do mesmo sexo. Mas afinal, como reagir perante isto?

A resposta é bastante simples. Como reagiria se o seu filho levasse a sua casa a namorada? Reagiria com naturalidade na expectativa de quem tinha ganho o coração do seu filho, certo? Então é exactamente assim que deverá reagir.

Conhecer o namorado do seu filho e recebê-lo em sua casa, será uma coisa perfeitamente normal. Conviver e fazer dele, também parte da sua vida é o que fará o seu filho mais feliz.

Todos, enquanto pessoas que aceitam a orientação dos outros, sentimo-nos perdidos com a orientação dos nossos filhos, quando estes se deparam com a sua própria homossexualidade. Ninguém leva de bom animo esta situação, não que se tenha preconceitos, mas porque sabemos que dói.

A sociedade vai julgar sempre os nossos filhos e mesmo que daqui por uns anos a homossexualidade deles suscite menos danos à susceptibilidade dos outros, há sempre alguém que não aceita. A nossa dor não é, naturalmente pela sua escolha, pois essa vai faze-los felizes, mas sim por aquilo que a sociedade pode fazer com eles.

Não seja mais um ao não aceitar o namorado do seu filho na sua vida. É o companheiro que ele escolheu, pelo que deve aceitá-lo de imediato.


Carla Horta

Título: O namorado do meu filho – Como reagir?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

766 

Imagem por: uayebt

Comentários - O namorado do meu filho – Como reagir?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: uayebt

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios