Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O mistério do Zumbido de Taos

O mistério do Zumbido de Taos

Categoria: Outros
O mistério do Zumbido de Taos

Ocorrem, por todo o mundo, fenómenos inexplicáveis ou que são, pelo menos, difíceis de explicar à luz da ciência e do senso comum do ser humano.

Um desses fenómenos, que permanece sem explicação oficial até à data, é o Zumbido de Taos (Taos Hum, em inglês).
É assim designado, pois consiste num som de baixa frequência, semelhante a um motor a diesel a trabalhar ao longe ou um eletrodoméstico em funcionamento – um frigorífico antigo, por exemplo. Este som tem procedência ignorada e é ouvido por cerca de 2% da população de Taos, uma localidade norte-americana situada no estado do Novo México.

As primeiras queixas registadas oficialmente surgiram em 1991, quando alguns habitantes de Taos afirmaram ouvir em horários específicos ou ininterruptamente um ruído incomodativo, semelhante a um zumbido ou um murmúrio prolongado. As pessoas afetadas indicavam que, por exemplo, estando dentro de casa, o zumbido se tornava mais intenso e que, ao sair a porta, este se apaziguava, ou vice-versa.

Após estes relatos intrigantes, outros começaram a surgir noutros locais do planeta, como o Reino Unido (Bristol), Nova Zelândia (Auckland), Japão, Canadá e alguns locais no Norte da Europa.
Foram efetuados testes auditivos, para despistar eventuais problemas do ouvido interno, mas até hoje, não deram resultados conclusivos. Os «hummers» (pessoas afetadas pelo som de origem misteriosa) são todos de meia-idade, incluindo igualmente homens e mulheres, na mesma proporção. Muitas das pessoas atormentadas por este som infinito acabam por desenvolver sintomas de stress, ansiedade extrema, depressões, exaustão, culminando em suicídio. Estima-se que o período que um «hummer» consegue suportar o ruído se situe entre os 5 a 10 anos de vida. A medicina não conseguiu ainda ajudar estes pacientes e nem mesmo a colocação de tampões auditivos resolveu o problema.

Muitas hipóteses, racionais ou não, foram colocadas, envolvendo transmissões rádio secretas, naves alienígenas, abduções, atividade vulcânica, entre outros. A ciência promete não deixar cair o caso em esquecimento, mas o que é facto é que permanece o mistério: serão estes sons inexistentes e apenas gerados nos ouvidos dos queixosos? Serão, pelo contrário, provocados por uma fonte específica e, como tal, passíveis de localização e posterior anulação para alívio das pessoas que os ouvem? A procura por uma resposta continua.


Isabel Rodrigues

Título: O mistério do Zumbido de Taos

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - O mistério do Zumbido de Taos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios